1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Greve da Lufthansa cancela mais voos para o Brasil

Voos para São Paulo e Rio de Janeiro estão entre os mais de 900 cancelados nesta segunda-feira, afetando 113 mil passageiros. Paralisação continua nesta terça-feira nos aeroportos de Frankfurt, Düsseldorf e Munique.

A Lufthansa anunciou o cancelamento de 929 voos nesta segunda-feira (09/11) – quase um terço dos 3 mil voos do dia do Grupo Lufthansa –, afetando cerca de 113 mil passageiros.

Até o início da tarde, três voos do partindo da Alemanha com destino ao Brasil neste ano haviam sido cancelados. São eles: os voos das 21h55 e das 22h15 (hora local) de Frankfurt para São Paulo e Rio de Janeiro, respectivamente, e o voo das 22h20 (hora local) de Munique para São Paulo. Ná última sexta-feira, o voo das 22h15 (hora local) de Frankfurt para o Rio de Janeiro havia sido cancelado.

Confira aqui se seu voo está previsto ou foi cancelado.

O sindicato dos comissários de bordo Ufo anunciou que a greve, que

começou na última sexta-feira

e teve uma pausa no domingo, vai continuar nesta terça-feira. Nos aeroportos de Frankfurt e Munique – que

aderiu à paralisação

nesta segunda-feira –, apenas os voos de longa distância serão afetados, e no aeroporto de Düsseldorf, também os de curta distância.

De acordo com o sindicato, a greve deve prosseguir até esta sexta-feira, sem afetar as subsidiárias da Lufthansa, como Germanwings e Eurowings. Segundo o presidente do Ufo, Nicoley Baublies, ainda não houve contato entre a companhia aérea e o sindicato.

Baublies responsabiliza a Lufthansa pelo agravamento do conflito. Desde a tarde de quinta-feira, a companhia teria interrompido o contato com o Ufo. A Lufthansa discorda: "A última nota da empresa para o sindicato foi entregue na sexta-feira à tarde." A diretoria da Lufthansa e o vice-presidente do departamento Lufthansa Passage devem se reunir nesta segunda-feira para discutir as consequências da greve.

A empresa afirmou em comunicado que a greve é "uma ação completamente desproporcional" e que fará o possível para que o seu impacto seja o menor possível para os passageiros. A Lufthansa disse ainda que os clientes serão informados "assim que possível" sobre o status de seus voos e, em caso de cancelamento, quando houver possibilidade, a empresa oferecerá opções alternativas de viagem.

Com base na experiência de greves anteriores, a empresa prevê uma perda diária de milhões, na casa dos dois dígitos, disse um porta-voz da Lufthansa. Analistas estimam que uma greve em todas as rotas da companhia, isto é, voos europeus e intercontinentais, gera uma perda diária de 20 milhões de euros nos lucros.

Dois anos de impasse

A disputa entre o sindicato do pessoal de cabine e a Lufthansa já se arrasta há quase dois anos. Os motivos principais do impasse são as regras de pensão complementar e de transição para a aposentadoria dos 19 mil comissários de bordo.

Esta é a primeira paralisação do pessoal de cabine da maior companhia aérea europeia na atual rodada de negociação coletiva.

A Lufthansa trava uma batalha também com os pilotos. Devido à disputa tarifária da categoria, a empresa enfrentou em setembro deste ano sua

13ª greve

em 18 meses. A ação

foi suspensa

pelo Tribunal Regional do Trabalho do Estado de Hesse, mas o impasse ainda não foi resolvido.

AF/dpa/afp/rtr

Leia mais

Links externos