1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

"EUA fracassaram no Iraque"

Detentor do Prêmio Nobel da Paz alternativo, o pesquisador da paz Johan Galtung vê política dos EUA no Iraque como fracassada. Em entrevista à DW-WORLD, o norueguês exige que o Ocidente negocie com Bin Laden.

default

Johan Galtung: Ocidente pisoteou 1,3 bilhão de muçulmanos

Os EUA já fracassaram no Iraque e podem acabar batendo em retirada, da mesma forma como saíram do Vietnã, diz o detentor do Prêmio Nobel da Paz alternativo Johan Galtung. Em entrevista à DW-WORLD, o pesquisador da paz sugere que o Ocidente negocie com o top terrorista Bin Laden e se reconcilie com o Islã.

DW-World: O senhor é visto como um dos adversários mais ferrenhos da intervenção norte-americana no Iraque. Apesar da situação explosiva no país, o governo dos Estados Unidos está convencido de que agiu certo. O mundo ficou mais seguro depois da derrubada de Saddam Hussein e do regime Talibã no Afeganistão? Como o senhor avalia a situação?

Johan Galtung: O governo norte-americano criou uma realidade virtual de mal-entendidos e avaliações erradas. Agora ele é vítima de suas próprias informações falsas e mentiras.

O senhor não vê nada de positivo na queda de Saddam Hussein?

Bin Laden: Heiliger Krieg

Osama Bin Laden

Isto não foi tão importante para os EUA. Suas metas principais eram o controle das reservas de petróleo iraquianas, a segurança de Israel e a garantia das bases militares mais importantes sob o aspecto geopolítico. A época mais cruel de Saddam Hussein foi nos anos 80, quando o parceiro mais importante do Iraque eram exatamente os Estados Unidos e havia bons motivos para uma intervenção. Saddam Hussein agiu cruelmente contra a rebelião de curdos e xiitas encenada pelos norte-americanos.

A situação atual no Iraque é caracterizada por extrema violência. O senhor teme uma escalada da violência?

Evidentemente. Se os EUA atacarem Najaf e matarem El Sadr irão ter, com certeza, a maioria predominante dos xiitas contra eles. Esta seria a pior burrice que os americanos poderiam cometer. O problema é que eles não acreditam em ninguém e acham que têm um mandato divino. A guerra em si já foi a maior burrice. A minha proposta é que se realize uma conferência nos moldes da de Helsinque de 1973 e 1975 - que resultou na fundação da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa. Numa conferência desta se poderia discutir a possibilidade de estabilizar o Iraque como um Estado federado com três partes para os curdos, xiitas e sunitas. Mas isto não é compatível com a meta declarada dos norte-americanos no Iraque.

É lícito se comparar o Iraque com o Vietnã?

De certa forma sim. Os EUA estão cometendo o mesmo erro. Eles não entendem a situação lá. A ação no Iraque pode terminar de forma semelhante à do Vietnã, com uma retirada das tropas norte-americanas. Os parceiros no conflito vão cuidar para que isto aconteça sem grandes perdas morais para os EUA.

A derrubada de Saddam Hussein não deteve o terrorismo internacional. Muito pelo contrário, a Europa também se vê na mira do terror. O que é necessário fazer agora?

É necessário uma reconciliação entre o Ocidente e o Islã. Existem 1, 3 bilhão de muçulmanos e eles foram pisoteados, mas ninguém admitiu isto. Fala-se sempre só de contra-ataques. A gente tem que se dispor a ouvir claramente a voz islâmica e entendê-la, pois só assim se poderá contribuir não só para a paz, mas também para a segurança na Alemanha.

Até onde deve ir o diálogo entre as religiões? Deve-se também negociar com Osama Bin Laden e aceitar a proposta de trégua que ele fez recentemente? (O líder da organização terrorista Al Qaeda esclareceu numa fita de vídeo que iniciaria uma trégua se os soldados europeus fossem retirados dos países islâmicos.)

Nós precisamos de negociações secretas com Bin Laden. Eu já havia sugerido isto meses atrás. De uma certa forma, a oferta que Bin Laden propagou agora se assemelha à solução da crise de Cuba de 1962. Naquela época, a União Soviética disse aos Estados Unidos: Vocês tiram os seus mísseis da Turquia, e nós e tiramos os nossos de Cuba. (Na época muitos desconheciam o estacionamento dos mísseis na Turquia). De uma ou outra forma, Bin Laden fez a mesma coisa agora.

O senhor acredita que um homem como Bin Laden esteja sinceramente disposto a negociar?

Naturalmente que não é fácil conversar com estas pessoas. Elas se sentem humilhadas pelo Ocidente. O problema é que os dois lados se satanizam mutuamente, e nisto a mídia também desepenhou o seu papel. A maior parte da mídia é cruel e presta uma contribuição asquerosa para a espiral da violência. Quem relata só sobre violência colhe violência. Por exemplo, as manchetes de primeira página sobre os terroristas suicidas e suas famílias geram um sentimento de triunfo entre as pessoas dispostas à violência. Jornalismo pacifista, ao contrário, significa colocar questões adicionais. Primeiro: qual a causa do conflito e quais as metas que perseguem as partes em conflito. Segundo: existe possibilidade de solução? Só noticiar que pessoas violências são violentas não é análise nenhuma.

Leia mais