1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

EUA buscam respostas para ataque a escola em Connecticut

Polícia identifica o jovem Adam Lanza, de 20 anos, como autor do crime. Ele matou 20 crianças, seis adultos – entre eles a própria mãe – e depois se matou. Norte-americanos voltam a debater lei de controle de armas.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pediu solidariedade aos norte-americanos para com os moradores da comunidade de Newtown, no estado de Connecticut, após o ataque a uma escola que deixou pelo menos 27 mortos na última sexta-feira (14/12). Em seu discurso semanal transmitido pelo rádio e na internet, Obama defendeu "ações significativas para evitar mais tragédias como esta", mas não chegou a falar em leis mais rígidas para o controle de armas no país.

"Nossos corações estão partidos", afirmou Obama, enxugando lágrimas em um pronunciamento pela televisão. O presidente lembrou outros ataques violentos no país, como o que ocorreu em um cinema no estado do Colorado, em julho deste ano, e contra um templo em Wisconsin, em agosto – tragédias que deixaram os norte-americanos igualmente consternados.

Os moradores de Newtown, cidade localizada a 130 km de Nova York, acordaram neste sábado (15/12) ainda em estado de choque, procurando respostas para o que aconteceu. O ataque na escola Sandy Hook, de ensino fundamental, ocorreu quando os alunos – entre 5 e 10 anos de idade – entravam nas salas de aula para iniciarem as atividades da manhã. De acordo com a polícia, houve tiroteio em duas salas. Testemunhas disseram ter ouvido dezenas de tiros.

US-Präsident Barack Obama Rede nach Amoklauf in Newtown

Em discurso, Obama não conteve as lágrimas: "Nossos corações estão partidos"

Tiros contra crianças

O responsável pelo atentado, identificado como Adam Lanza, de 20 anos, abriu fogo na manhã de sexta-feira contra adultos e crianças. Ele matou 26 pessoas – 20 crianças e seis adultos – e depois atirou contra si mesmo. Uma das vítimas foi a própria mãe do atirador, Nancy Lanza. Entre os mortos estavam ainda o diretor e um psicólogo da escola. Segundo informações do jornal The New York Times, Adam usou duas pistolas automáticas. A polícia, de acordo com o jornal, encontrou ainda um fuzil no local dos crimes.

As pessoas que conheciam Adam o descreveram como um jovem "brilhante, mas retraído". Antigos colegas do rapaz comentaram que ele se vestia de maneira mais formal do que os outros estudantes. "A mãe dele o pressionava bastante para que ele fosse mais inteligente e se dedicasse bastante à escola", disse Tim Arnone, 20.

Schießerei an einer Grundschule in Connecticut

Após tiroteio, crianças foram retiradas às pressas da escola

Autoridades acreditam que Adam pudesse sofrer de algum distúrbio de personalidade. Ele era ex-aluno da escola Sandy Hook.

Armas em debate

O número de mortos na tragédia em Sandy Hook superou o registrado em um dos atentados em escolas mais conhecidos nos Estados Unidos, o de Columbine, em 1999. Na época, dois adolescentes mataram 13 pessoas, entre estudantes e funcionários, e depois se mataram.

O tiroteio reacendeu o debate em torno do controle da venda de armas nos Estados Unidos, país com tradição em armas de fogo e um forte lobby das empresas fabricantes, o que desanima políticos a tomarem medidas mais incisivas com relação ao controle de pistolas e rifles.

MSB/rtr/dpa/ap
Revisão: Soraia Vilela

Leia mais