1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Estudo diz que ambiente social influencia identidade de imigrante

Relatório divulgado pelo governo alemão mostra que o meio em que os imigrantes vivem tem maior influência na formação da sua identidade do que as origens e a religião.

default

Religião fica abaixo de outros fatores sociais quando o assunto é integração

Após obter avaliação apenas mediana para a sua política de integração de estrangeiros, autoridades alemãs apresentaram, na última terça-feira (16/10), um estudo inédito sobre o meio social de imigrantes na Alemanha para ajudar a melhorar a situação.

O estudo é o primeiro do gênero no mundo, pois enfoca o atual ambiente social dos imigrantes em vez de suas origens, disse o vice-ministro alemão da Família, Gerd Hoofe, que apresentou o relatório.

Embora fatores como etnicidade, religião e histórico de migração desempenhem um papel importante no dia-a-dia dos imigrantes, os seus atuais ambientes sociais são muito mais importantes para a formação da sua identidade, afirma o estudo.

O relatório é baseado em 104 entrevistas e distinguiu oito ambientes sociais de imigrantes, indo de "religiosamente enraizado" – pessoas baseadas em valores morais rigorosos e conservadores – até o meio "intelectual cosmopolita" – com atitudes tolerantes e mais liberais.

Mesmo que Hoofe tenha dito que resultados detalhados do estudo não ficarão prontos até o próximo verão europeu, ele acrescentou que o relatório "acaba com clichês negativos sobre os imigrantes que moram neste país".

"Os imigrantes estão dispostos a se integrar, mas eles também não querem esquecer suas raízes", declarou Hoofe, acrescentando que nível de educação e urbanidade também são fatores determinantes. Para o psicólogo Bodo Flaig, que participou do estudo, o relatório comprova que a vida dos imigrantes não é determinada pela religião.

Merkel: Descaso com crianças imigrantes nas escolas

Ausländer in Kreuzberg

Os pequenos imigrantes não têm tantas oportunidades quanto os nascidos na Alemanha

Também nesta semana, a chanceler federal Angela Merkel disse que a Alemanha deve tomar medidas para tornar o sucesso educacional menos dependente do contexto social.

"Não podemos negligenciar um único talento," enfatizou a chanceler durante uma conferência sobre integração e educação em Berlim, ao declarar que as crianças de famílias imigrantes foram particularmente desfavorecidas na Alemanha.

De acordo com a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o sistema escolar alemão aparece em último lugar no ranking das 17 nações industrializadas quando se trata de apoio a crianças imigrantes.

Poucas políticas de integração da Alemanha

Na Europa, a Alemanha aparece no grupo intermediário no que diz respeito à integração de trabalhadores estrangeiros, de acordo com um estudo divulgado na segunda-feira (15/10). Ela ficou no 14º lugar entre os 28 países estudados para o MPIEX, um índice que mede as políticas de integração de imigrantes.

A Suécia foi considerada o país que melhor ajuda os imigrantes a se sentirem bem-vindos, enquanto a Letônia ficou com a pior posição.

Os 25 países da União Européia (UE) incluídos no estudo (apenas a Bulgária e a Romênia ficaram de fora) tiveram uma pontuação média de 53%.

O estudo constatou que, em geral, os países da UE são bons em ajudar os imigrantes a se tornar moradores de longo prazo, mas não criam facilidades para quem quer se tornar um cidadão com plenos direitos.

Os autores do estudo disseram que não pretendem desmascarar e constranger ninguém, ao contrário, querem com isso estimular os governos nacionais a usarem suas conclusões como instrumentos para guiar futuras políticas de integração.

A Europa tem estimadamente 20 milhões de imigrantes legais. Na Alemanha, há mais de 15 milhões de pessoas com um histórico de migração, ou 19% da população. (ak)

Leia mais