1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Cuba apoia Venezuela no conflito com os Estados Unidos

Na primeira confrontação pública com os americanos desde o início da reaproximação, Havana chama novas sanções de "arbitrárias e agressivas" e oferece apoio incondicional ao governo de Maduro.

Cuba ofereceu seu "apoio incondicional" à Venezuela depois de o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ter autorizado

novas sanções a autoridades venezuelanas

. Em comunicado oficial divulgado nesta terça-feira (10/03) pela mídia estatal cubana, o governo em Havana chamou a ordem executiva de Obama de "arbitrária e agressiva".

"Cuba novamente reitera o seu apoio incondicional e o de seu povo à Revolução Bolivariana, ao governo legítimo do presidente Nicolás Maduro e ao povo irmão heroico da Venezuela", diz o texto. "Ninguém tem o direito de intervir nos assuntos internos de um Estado soberano ou de declarar, sem fundamento, que alguém é uma ameaça à segurança nacional."

"Como a Venezuela ameaça os Estados Unidos? A milhares de quilômetros de distância, sem armas estratégicas e sem empregar recursos nem funcionários para conspirar contra a ordem constitucional estadounidense, a declaração soa pouco credível e desnuda as intenções de quem a faz", acrescenta.

A reação marcou a primeira confrontação pública de Cuba com os Estados Unidos desde que os dois países começaram as negociações para o restabelecimento pleno das relações diplomáticas, em dezembro. Com o comunicado, Cuba se une a outros aliados regionais com governos de esquerda que se solidarizaram com a Venezuela após as sanções americanas.

O ministro das Relações Exteriores do Equador, Ricardo Patiño, advertiu nesta segunda-feira que o bloco sul-americano Unasur não permitirá a intervenção estrangeira ou um golpe de Estado na Venezuela.

Em Caracas, o presidente Nicolás Maduro reagiu de forma enfática às sanções de Obama e

convocou o encarregado venezuelano de negócios nos EUA

, Maximilien Arveláiz, para consultas. Mais tarde, também na segunda-feira, Maduro chamou as ações de Washington de "o golpe mais agressivo, injusto e prejudicial contra a Venezuela".

"Você [Obama] não tem o direito de nos atacar e declarar que a Venezuela é uma ameaça para o povo dos Estados Unidos. A ameaça ao povo americano são vocês mesmos", disse Maduro, rodeado de dezenas de ministros e líderes militares no palácio presidencial.

O líder cubano Fidel Castro felicitou a postura "brilhante e valente" de Maduro contra os Estados Unidos em carta publicada pela imprensa cubana também nesta terça-feira. "Suas palavras vão entrar para a história como prova de que a humanidade pode e deve saber a verdade", escreveu Castro.

PV/dpa/afp

Leia mais