Coreia do Norte ameaça retaliar EUA por sanções | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 04.04.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Coreia do Norte ameaça retaliar EUA por sanções

Após Trump afirmar estar preparado para agir sozinho contra Pyongyang, governo norte-coreano ataca discurso agressivo de Washington e adverte comunidade internacional que responderá a eventuais medidas punitivas.

Soldado norte-coreano em frente a míssil

Coreia do Norte já realizou cinco testes nucleares

A Coreia do Norte advertiu, nesta terça-feira (04/04), que retaliará se a comunidade mundial aumentar as sanções econômicas em represália aos recentes testes militares de Pyongyang. A advertência do governo norte-coreano veio após o presidente dos EUA, Donald Trump, ter afirmado estar preparado para lidar sozinho com a Coreia do Norte caso a China não intervir.

Leia mais: "Se EUA intervierem, Coreia do Norte vai revidar"

O isolado Estado norte-coreano acelerou seu programa de mísseis nos últimos meses, com uma série de testes. Analistas americanos afirmaram que a Coreia do Norte parece estar preparando um novo teste atômico.

Pyongyang já realizou cinco testes nucleares – dois deles no ano passado. Especialistas estimam que a Coreia do Norte esteja adquirindo a capacidade de atingir os EUA com uma arma nuclear.

Na segunda-feira, o Ministério do Exterior da Coreia do Norte atacou Washington por seu discurso agressivo e pelo exercício militar conjunto com a Coreia do Sul e o Japão, visto por Pyongyang como um ensaio geral para uma invasão.

As "ações imprudentes" estão deixando a situação tensa na península coreana "à beira de uma guerra", disse um porta-voz do ministério norte-coreano, segundo a agência estatal de notícias KCNA. A ideia de que os EUA poderiam privar Pyongyang de sua "dissuasão nuclear" por meio de sanções é "o sonho mais selvagem".

"Agora que os EUA não conseguem enfrentar a tendência dos tempos, mas incentivam o confronto para estrangular a RPDC [República Popular Democrática da Coreia], a RPDC não tem outra opção senão adotar a resposta necessária. O mundo logo testemunhará os passos que a Coreia do Norte dará para frustrar a hedionda e temerária batalha das sanções", disse o porta-voz sem elaborar detalhes. A Coreia do Norte frequentemente faz ameaças inespecíficas por meio de sua mídia estatal.  

A declaração norte-coreana foi emitida em resposta às ameaças de Trump e às vésperas da primeira reunião entre o presidente americano e seu homólogo chinês, Xi Jinping, que será realizada nesta semana no resort Mar-a-Lago na Flórida.

Os comentários do porta-voz do Ministério do Exterior da Coreia do Norte foram proferidos horas antes de a Câmara dos Deputados dos EUA aprovar uma lei que recoloca a Coreia do Norte na lista de países patrocinadores do terror, além de passar uma resolução que denuncia o desenvolvimento nuclear e de mísseis no país asiático.

O Departamento do Tesouro dos EUA estabeleceu sanções a 11 representantes empresariais norte-coreanos e uma empresa industrial na semana passada, buscando isolar ainda mais a economia da Coreia do Norte. 

PV/afp/ots

Leia mais