″Se EUA intervierem, Coreia do Norte vai revidar″ | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 03.04.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

"Se EUA intervierem, Coreia do Norte vai revidar"

Trump diz que EUA estariam prontos para agir unilateralmente contra o regime norte-coreano. Em entrevista à DW, analista aponta contradição no discurso e lista consequências de eventual ação americana.

O ditador Kim Jong-unn e o presidente Donald Trump

O ditador Kim Jong-unn e o presidente Donald Trump

A Coreia do Norte será um dos temas do primeiro encontro entre os presidentes americano, Donald Trump, e chinês, Xi Jiping, a partir desta quinta-feira (06/04). Às vésperas da reunião, Trump afirmou que os EUA estão prontos para agir sozinhos se Pequim não aumentar a pressão sobre Pyongyang.

Hanns Günther Hilpert, pesquisador especializado em Ásia do instituto alemão SWP, diz que a declaração é uma clara contradição, e que essa estratégia traz consigo riscos militares e políticos consideráveis.

"Se os EUA pudessem resolver o problema sem a ajuda chinesa, Trump não precisaria de modo algum discutir a questão com o presidente Xi", diz Hilpert.

Deutsche Welle: Trump disse que se a China não cooperar para acabar com a ameaça nuclear e de mísseis da Coreia do Norte, os EUA tomarão uma atitude sozinhos. Qual é a sua opinião sobre isso?

Hanns Günther Hilpert: A declaração é uma clara contradição. Se os EUA pudessem resolver o problema da Coreia do Norte sem a ajuda chinesa, Trump não precisaria de modo algum discutir a questão com Xi. Basicamente, os EUA têm várias opções para enfrentar a questão da Coreia do Norte. Mas todas essas alternativas representariam riscos elevados, seriam ineficazes ou não produziriam os resultados desejados.

DW: Quais opções Trump teria caso escolha agir unilateralmente?

HGH: Trump poderia estar pensando em realizar ataques preventivos para destruir o arsenal nuclear e convencional da Coreia do Norte. Mas essa estratégia traz consigo riscos militares e políticos consideráveis. Outra possibilidade é obstruir o enriquecimento de urânio do país, embora não esteja claro se isso pode ser feito ou não. Há também outras opções como a imposição de um bloqueio marítimo, abater um foguete norte-coreano quando estiver no ar ou um aperto adicional do já rigoroso regime de sanções.

DW: Até agora, a Coreia do Norte permaneceu inabalada com as ameaças de Washington. Quais cartas Pyongyang tem para impedir uma intervenção militar liderada pelos EUA?

HGH: Se os EUA intervierem militarmente, há o risco de a Coreia do Norte revidar. Não precisa ser um ataque nuclear, mas pode ser convencional. A fronteira entre o Norte e o Sul está muito próxima da área metropolitana de Seul. O poder de fogo do Norte teria um impacto devastador na capital sul-coreana, levando a um nível elevado e inaceitável de vítimas humanas e destruição material.

DW: Por que os EUA não querem negociar com a Coreia do Norte?

HGH: Em minha opinião, negociar não é uma questão para os EUA. Houve experiências ruins no passado negociando com a Coreia do Norte. E se um acordo fosse feito, ele não seria confiável, porque os norte-coreanos são conhecidos por não respeitar os tratados. Há um série de incentivos para a Coreia do Norte continuar com seu comportamento atual. Na melhor das hipóteses, as negociações podem atrasar o desenvolvimento de armas. É por isso que o governo Trump fala mais sobre sanções do que negociações. Com isso em mente, um retorno às chamadas "negociações entre seis partes" também não ofereceria soluções.

DW: Qual poder tem a China?

HGH: A Coreia do Norte e a China compartilham uma longa fronteira terrestre. O comércio com a China representa 90% das trocas comerciais de Pyongyang. Sem as importações chinesas e sem o uso da fronteira terrestre para a circulação de produtos, a Coreia do Norte enfrentaria problemas econômicos críticos. Assim, vemos como a China pode exercer pressão no médio prazo. O que a China não pode fazer é controlar os eventos que acontecem na Coreia do Norte. Portanto, os chineses também devem lidar com o risco de instabilidade e agitação na Coreia do Norte.

DW: Você espera algum avanço nessas questões durante o encontro entre Xi e Trump?

HGH: Eu estou curioso sobre o que virá dessas conversas, mas agora não é o momento certo para especular.

Leia mais