1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Cinema e TV entram na era digital

Digitalização chega às salas de estar e de cinema. Alemanha implementa DVB-T nos grandes centros urbanos. 175 cinemas formam rede de exibição de filmes digitalizados.

default

As imagens de fantasmas ou chuviscos nas telas de TV estão com os dias contados na Alemanha. O país entra na era da TV digital. A estréia do novo sistema ocorreu em agosto do ano passado, na região metropolitana de Berlim-Potsdam-Brandemburgo. Desde o final de maio, os moradores de Hanôver-Braunschweig, Bremen-Unterweser, Colônia e Bonn também sintonizam a Televisão Digital Terrestre (DVB-T). Em novembro deste ano, será a vez de Hamburgo-Lübeck, Kiel, Düsseldorf e a região do Rio Ruhr.

Na lista de espera para o ano que vem estão os centros urbanos de Halle-Leipzig, Erfurt-Weimar, Mainz-Wiesbaden-Frankfurt, Ludwigshafen-Manheim, Stuttgart, Nurembergue e Munique. A digitalização completa dos sinais de TV em todo o território alemão está prevista para o ano 2010.

A volta da antena

Apenas 5% dos televisores na Alemanha ainda depende da antena doméstica. Se as chamadas "ilhas de DVB-T" proliferarem, esse número pode voltar a aumentar. As vantagens do sistema digital são óbvias. "Temos quatro vezes mais canais do que antes, já que cada freqüência pode ser usada para transmitir quatro canais", explica Michael Thiele, porta-voz da associação Plataforma de TV Alemã. Além disso, a qualidade de imagem e áudio é melhor. Para receber o novo sinal, os telespectadores alemães, no entanto, têm de comprar um decodificador especial chamado Set-Top-Box (em torno de 150 euros).

DVD-T é mais que TV

A grande vantagem da TV digital é ser portável, permitindo, por exemplo, assistir a um programa no jardim ou no carro. A transmissão de programas de TV não é a principal função do sistema. "Temos a possibilidade de integrar uma série de outros aplicativos, desde sistemas de navegação, guias turísticos multimída ou canais especializados em notícias econômicas", diz Thiele. A meta é tornar a TV mais interativa.

A concorrência não dorme no ponto. A Kabel Deutschland, que monopoliza o setor de TV a cabo, está ampliando a sua oferta e pretende levar 120 canais até os 18 milhões de lares ligados à rede do cabo.

Esse número é bem inferior aos mil canais previstos, mas deve acirrar a disputa pela atenção dos telespectadores. Para receber o sinal a cabo, precisa-se de um decodificador que custa 100 euros. A maioria das grandes emissoras de TV aberta de direito público e privadas ainda resiste em disponibilizar seus programas através da rede da Kabel Deutschland.

Cinena digital chega à Europa

Uma resistência inversa esboça-se na área de cinema. O grito de guerra de que "o telão digital está chegando" ecoa desde 1997, quando a Texas Instruments lançou um potente projetor para este fim. Agora, parece vir de verdade e deve provocar profundas mudanças no setor. O que está em jogo não é apenas a transmissão de sinais digitais para as salas de exibição, como também a digitalização de todo o processo, desde a câmera até a projeção, prenunciando o fim dos rolos de filmes convencionais.

Com a nova tecnologia, as distribuidoras esperam economizar até 90% dos gastos com reprodução e remessa dos rolos. À medida que a tecnologia avança, aproxima-se a introdução dos cinemas digitais por Hollywood. Nos Estados Unidos, sete conglomerados da mídia formaram a Digital Cinema Initiative (DCI), em abril de 2002, para implementar o processo. Atualmente, os engenheiros acertam os últimos detalhes das padronizações. A implementação industrial está prevista para 2006.

Um grupo de pequenos cinemas europeus resolveu não esperar por Hollywood e formou a rede European DocuZone (EDZ). Donos de salas de exibição, distribuidores e produtores de oito países europeus uniram-se na EDZ para organizar o intercâmbio pan-europeu de documentários em 175 cinemas, dos quais 112 são da Alemanha.

Chance para pequenos produtores

A partir do segundo semestre, a EDZ quer transmitir um documentário europeu por semana, via satélite, para os cinemas associados. A exibição será simultânea, num horário fixo. Os cinemas da DocuZone, no entanto, podem usar os projetos também para outros fins, mediante pagamento de uma pequena taxa. Por seu âmbito europeu, o projeto foi fomentado com cerca de 2,5 milhões de euros pela União Européia.

Como a tecnologia usada é relativamente barata, à base de beamer, abre uma nova perspectiva para a comercialização de obras de pequenos produtores. Para os cinemas participantes, trata-se de uma chance para diversificar os programas e garantir a independência. A estréia do novo sistema será entre 12 e 14 de novembro de 2004, durante o Festival Pan-europeu de Filmes Documentários, e seu funcionamento regular, a partir de 1º de janeiro de 2005.

Leia mais