1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Borussia Dortmund luta, mas perde para Feyenoord

Zagueiro Kohler, que se encerrava sua carreira, faz pênalti, recebe cartão vermelho e abre caminho para a derrota do campeão alemão na final da Copa da Uefa. Amoroso fez, também de pênalti, o primeiro gol alemão.

default

Kohler derruba Tomasson na área por trás, é expulso e despede-se do futebol cabisbaixo

Aquele que todos os alemães esperavam prestar honras após a final da Copa da Uefa, na noite desta quarta-feira, acabou sendo o vilão da partida em Roterdã. Aos 30 minutos do primeiro tempo, Kohler cometeu um erro imperdoável para um veterano de 36 anos e campeão mundial pela seleção alemã em 1990.

Último homem da zaga, tentou escapar com a bola da marcação de Tomasson. Perdeu o controle sobre ela e só com falta pôde evitar que o dinamarquês tomasse a bola. Pênalti. Cartão vermelho. E na noite em que deveria deixar o gramado sob aplausos e com o reconhecimento da entusiástica torcida do Borussia Dortmund, Kohler teve de ir de cabeça baixa para o chuveiro.

Até então, o único lance perigoso havia sido a cobrança de uma falta por Van Hooijdonk na trave do goleiro alemão Lehmann, que assistiu imóvel a trajetória da bola. As demais oportunidades não haviam de fato ameaçado nenhuma das metas. O mesmo Van Hooijdonk cobrou o pênalti e desta vez acertou o fundo da rede, abrindo o placar para o Feyenoord diante da torcida anfitriã.

Aos 37 minutos, tumulto na área holandesa. Na sobra, Evanílson bateu firme, na direção certa. Mas lá estava Tomasson de novo para definir o rumo do jogo e afastou a bola de cabeça.

Mais dois minutos, mais uma falta na entrada da área do Borussia, mais um prato cheio para Van Hooijdonk, que desta vez caprichou na cobrança e ampliou para 2 a 0 o placar em Roterdã. A partida parecia estar definitivamente decidida.

Etapa complementar – No entanto, o Borussia voltou para o segundo tempo recuperado do choque da expulsão de Kohler e, aos dois minutos, Amoroso forçou um pênalti. O juiz português Vítor Pereira marcou. O próprio artilheiro do Campeonato Alemão cobrou, com paradinha, e diminuiu a vantagem holandesa.

O time do Borussia mal teve tempo para respirar. Na investida seguinte do Feyenoord, três minutos depois, o japonês Ono lançou à bola para trás da linha de impedimento alemã, onde estava Van Hooijdonk, que consciente da situação irregular permaneceu imóvel, enquanto Tomasson vinha de trás para receber a bola e caminhar sozinho com ela, ainda quicando-a na coxa, antes de bater para o fundo da rede, sem chance para Lehmann.

A equipe alemã não se entregava e, mesmo com apenas dez jogadores, chegava a ter domínio de campo. Aos 11 minutos, o gigante tcheco Koller fuzilou de fora da área, engavetando a bola no ângulo direito do goleiro Zoetebier e devolvendo o suspense à partida.

Somente a partir de então os técnicos começaram a fazer substituições. No Borussia, o brasileiro Éwerthon cedeu a vez para o ganense Addo. No Feyenoord, o também brasileiro Leonardo I (o time holandês tem dois) entrou no lugar de Van Persie e passou a ser a principal peça de contra-ataque, levando perigo à meta alemã.

Mas o novo campeão da Copa da Uefa já havia mesmo sido definido com o erro de Kohler e no rápido 2 a 0 ainda no primeiro tempo.

Leia mais

Links externos