Alemanha vai defender fim do protecionismo em encontro do G20 | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 28.03.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Alemanha vai defender fim do protecionismo em encontro do G20

Encontro reunirá em Londres representantes das maiores economias do mundo, que deverão discutir formas de combate à crise econômica. O encontro é considerado um dos mais importantes desde o fim da Guerra Fria.

default

Alemanha vai defender em Londres maior vigilância dos mercados financeiros

A chanceler federal alemã, Angela Merkel, afirmou há alguns dias em Berlim que não só a Alemanha, mas todos os países da União Europeia pretendem se posicionar claramente durante o próximo encontro de cúpula do G20 em Londres.

"Só é possível reconquistar a confiança quando as pessoas nos nossos países perceberem que está havendo um esforço conjunto e que nós entendemos que precisamos aprender as lições dadas por essa crise", declarou a premiê.

Mesmo antes do encontro em Londres, os países europeus mostraram solidariedade para com as nações que foram especialmente atingidas pela crise. A União Europeia destinou 75 bilhões de euros ao FMI (Fundo Monetário Internacional) para situações emergenciais. Deste montante, 15 bilhões vieram da Alemanha.

Cartilha de economia sustentável

Angela Merkel - NATO-Rede

Angela Merkel

Para Merkel, a solução está na cooperação e não no isolamento entre os países. A Alemanha pretende sugerir durante o encontro em Londres uma cartilha de "economia sustentável", a fim de evitar que prevaleçam o egoísmo e a defesa unilateral de interesses. Segundo a proposta de Berlim, deveria ser criado um controle internacional para fiscalizar a observância às regras que serão definidas para o mercado financeiro.

"Para nós é importante fortalecer as instituições internacionais, ou seja, o FMI e o Fórum de Estabilidade Financeira. Estamos falando também de atividades de alerta e vigilância. E em segundo lugar: todos os participantes do mercado financeiro, todos os produtos e todos os mercados financeiros deverão estar sujeitos a uma regulamentação", afirmou Peer Steinbrück, ministro alemão das Finanças.

As regras a serem estabelecidas deverão chegar a níveis que podem vir a incomodar os norte-americanos. Elas dizem respeito também aos controversos fundos de hedge , às sociedades de participação, às agências de rating e também aos salários dos executivos.

Paraísos fiscais

O governo alemão se tornou, principalmente em função da pressão dos social-democratas no Parlamento, um ferrenho combatente dos chamados paraísos fiscais. O ministro Steinbrück já entrou em conflito, mesmo antes do encontro do G20, com alguns dos vizinhos europeus, entre estes a Suíça e a Áustria, onde ele afirma que estão depositados grandes montantes de dinheiro oriundo da sonegação de impostos.

A maior parte dos países acusados de serem paraísos fiscais já demonstraram disposição para afrouxar o sigilo bancário. Quem não quiser cooperar deverá, segundo a vontade de Berlim, ser incluído numa "lista negra" e estará sujeito a sanções.

Contra o protecionismo

Schweizer Bankgeheimnis Steinbrück

Peer Steinbrück

A Alemanha, maior exportador do mundo, espera do encontro em Londres uma posição clara contra o protecionismo e um fortalecimento do livre comércio internacional. O presidente da Federação Alemã de Comércio Exterior, Anton Börner, defende um novo impulso pela retomada da Rodada de Doha.

"Uma conclusão rápida [da questão] aliviaria o comércio internacional em aproximadamente 300 bilhões de dólares anuais e significaria um incentivo bem-vindo à economia mundial, que traria vantagem a todos: tanto aos emergentes, quanto aos países desenvolvidos e aos em desenvolvimento", observa Börner.

A Alemanha se posiciona claramente contra a proposta dos EUA, do Reino Unido e de outros países de injetar mais bilhões de euros do Estado na economia, a fim de reaquecer a conjuntura. O governo em Berlim afirma que a solução não está em endividar ainda mais o Estado, nem numa concorrência pelo maior pacote conjuntural.

Obviamente com pequenas exceções: o governo alemão pagará, por exemplo, por um tempo mais longo do que o previsto, o bônus estatal para quem vender um veículo com mais de nove anos de uso e adquirir um novo. Afinal, as eleições no país estão chegando.

Autor: Bernd Grässler
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais