G20 disposto a elevar recursos do FMI | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 14.03.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

G20 disposto a elevar recursos do FMI

Declaração do encontro de ministros do G20 aponta para aumento dos recursos financeiros do FMI e maior controle de agências de rating. Diferentemente dos EUA, europeus discordam de novos programas de apoio à economia.

default

80% da economia mundial estava reunida em Horsham

Ministros das Finanças e presidentes dos bancos centrais do grupo composto pelos 20 principais países emergentes e industrializados reuniram-se neste sábado (14/03) em Horsham, próximo a Londres. Tratou-se de um encontro preparatório, visando uma linha comum para a cúpula do G20, a se realizar em 1º e 2 de abril, na capital britânica. Nesta se discutirá um plano de combate à crise econômica, assim como as perspectivas de uma nova ordem financeira mundial.

Porém, já no início do encontro, o anfitrião Alistair Darling, ministro britânico das Finanças, advertira sobre os diferentes pontos de vista defendidos pelos diversos países-membros do G20, quanto à ênfase dada às medidas de combate à crise financeira.

Enquanto os EUA defendem programas adicionais de apoio à economia, líderes europeus, como a premiê alemã, Angela Merkel, rejeitam a ideia de empregar ainda mais dinheiro de impostos em programas conjunturais. Juntos, os países reunidos em Horsham representam 80% do rendimento econômico mundial.

Exigências do Bric

G20 Treffen in Sao Paolo Brasilien

Mantega (c) pediu mais voz para emergentes

Em declaração conjunta divulgada na sexta-feira, os países emergentes que compõem o chamado Bric (Brasil, Rússia, Índia e China), exigiram, por sua vez, o aumento das linhas de crédito através de instituições financeiras internacionais. No final do encontro, esse foi um dos pontos de consenso entre seus participantes.

O pedido dos quatro países emergentes se explica pelo fato de terem cada vez mais que lutar contra a evasão de capital provocada pela crise financeira. Como bancos e instituições financeiras internacionais concentram-se agora no saneamento de suas finanças e na distribuição de empréstimos nos mercados nacionais, o Bric exige que os recursos do FMI (Fundo Monetário Internacional) sejam claramente ampliados. Além disso, os quatro países querem uma maior participação nas decisões do Fundo.

O ministro brasileiro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou que os países que compõem o Bric não aumentarão sua participação financeira no FMI enquanto seu direito de voto também não for ampliado.

G20 deverá aumentar recursos do FMI

Por diversas vezes, o FMI tem advertido que, no caso de uma crise duradoura, seus recursos não são suficientes para salvar países da inadimplência através de empréstimos. Na declaração final do encontro, os ministros não quiseram estipular números, mas ficou claro que estariam dispostos a aumentar "consideravelmente" os recursos financeiros do FMI.

Na semana passada, os EUA sugeriram triplicar para 750 bilhões de dólares os meios de ajuda de que o Fundo dispõe contra a crise. Os europeus querem que essa ajuda seja elevada somente para 500 bilhões de dólares.

Agências de rating e paraísos fiscais

Merkel Treffen mit Brown in London

Sarah Brown, Merkel, seu marido Joachim Sauer e o premiê britânico em Londres

Os ministros das Finanças dos países-membros do G20 também sugeriram a obrigatoriedade do registro de agências de avaliação de risco junto a órgãos nacionais de controle financeiro. As agências de rating foram bastante criticadas por haverem contribuído para as turbulências nos mercados financeiros, com suas avaliações benevolentes de papéis sem valor.

Devido à resistência de alguns países emergentes, não houve consenso quanto à adoção de uma linha dura para o combate aos paraísos fiscais, defendida principalmente pela França e pela Alemanha. Apesar disso, Merkel declarou que a reunião preparatória teria alcançado resultados importantes. Ela afirmou esperar que "outros passos se seguirão", no encontro do G20 em Londres.

UE e EUA com diferentes expectativas

O documento final do encontro de ministros de Finanças apontou que os países do grupo se concentrarão no reaquecimento da concessão de empréstimos bancários, como forma de combate à crise econômica.

Além da decisão de fortificar o FMI, os ministros reunidos em Horsham puseram de lado as divergências dentro do G20 quanto a programas adicionais de apoio conjuntural. Eles deliberaram que cabe a cada país decidir sobre eventuais injeções financeiras para a economia nacional.

Os EUA propunham um percentual fixo de 2% do respectivo Produto Interno Bruto (PIB), porém a UE rechaçava uma elevação drástica dos gastos e do endividamento público.

As expectativas quanto à cúpula no início de abril também diferem. Enquanto os EUA esperam da Europa impulsos mais fortes para o atual desenvolvimento conjuntural, a UE quer alcançar uma vigilância o mais estrita possível dos mercados financeiros.

Reforma da ordem financeira

Após visita à residência de campo de seu homólogo britânico, Merkel concedeu, juntamente com Brown, uma coletiva à imprensa, neste sábado, em Londres. Apesar das divergências entre a Europa e os EUA, ambos os chefes de governo declararam estarem seguros de que os parceiros encontrarão uma estratégia comum contra a crise econômica.

Segundo Merkel, a cúpula em Londres trará, sobretudo, "claros progressos regulatórios". Brown aposta na cooperação do novo presidente norte-americano Barack Obama. O premiê britânico salientou que os maiores programas conjunturais de todos os tempos já estariam em ação e que a ênfase deveria ser colocada agora na reforma da ordem financeira.

Ambos veem na perspectiva de afrouxamento do sigilo bancário em países como Suíça e Liechtenstein uma primeira abertura em direção a uma nova ordem financeira. "Trata-se de um sinal de que os velhos paraísos fiscais não mais têm lugar neste novo mundo", resumiu Gordon Brown.

CA/AV/reuters/afp/dw

Leia mais