1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Aberto caminho para construir centro dedicado a desterrados

Encontro em Varsóvia nivelou o caminho para a construção em Berlim de um centro de documentação centrado nos desterrados após a 2ª Guerra. A Polônia não se opõe mais ao projeto, mas não pretende participar formalmente.

default

Desterrados vindos da Polônia chegam à Alemanha (foto sem data)

Não há mais impedimento à concretização dos planos do governo alemão de estabelecer em Berlim um "sinal claro contra a fuga e o exílio". Em encontro realizado em Varsóvia na terça-feira (05/02), o ministro alemão da Cultura, Bernd Neumann, apresentou o projeto de realização de uma exposição permanente na capital alemã tematizando os desterros em conseqüência da Segunda Guerra Mundial.

A conversa "muito franca e em atmosfera amigável" com Wladyslaw Bartoszewski, assessor do primeiro-ministro Donald Tusk, foi capaz de afastar as objeções da Polônia aos planos. O governo polonês não tem a intenção de "participar formalmente do projeto", no entanto a colaboração de historiadores poloneses não está excluída, declararam ambos após o encontro.

"Sinal claro" nas proximidades da Potsdamer Platz

O tema tem sido motivo de controvérsias entre os dois países desde que a Federação dos Desterrados Alemães lançou, em 2000, a iniciativa de construção de um Centro dos Desterrados. A Polônia via nos planos a tentativa de relativização da culpa da Alemanha na Segunda Guerra Mundial.

A exposição permanente a ser instalada nas proximidades da Potsdamer Platz em cooperação com o Museu Histórico Alemão se centrará no desterro de 12 milhões de alemães da Prússia Oriental, da Silésia, da Pomerânia e dos Sudetos, mas abordará aspectos europeus mais amplos de fuga e exílio forçado. O ministro Naumann acentuou em Varsóvia ser intenção do governo alemão "apresentar o contexto histórico, considerando também a deportação da população polonesa".

Outros projetos bilaterais de resgate da memória

Naumann e Bartoszewski acertaram ainda que os dois países trabalharão em conjunto em outros projetos na Polônia relativos à Segunda Guerra. Assim, a Alemanha participará da restauração do memorial na Westerplatte, em Gdansk, por ocasião dos 70 anos do ataque da Alemanha à Polônia em 1º de setembro de 1939.

Os alemães colaborarão ainda nos preparativos de um Museu da Guerra e da Paz no século 20, a ser instalado também em Gdansk. A idéia para este projeto havia sido apresentada pelo premiê polonês Donald Tusk a Angela Merkel, quando a visitou em Berlim em dezembro passado.

Berlim e Varsóvia querem reativar ainda a idéia lançada pelo governo alemão anterior de uma Rede Européia Lembrança e Solidariedade. O projeto, que deverá ter sede em Varsóvia, se dedicará à pesquisa, com participação de alemães, poloneses, tchecos e húngaros, devendo tornar-se um "fórum importante do diálogo histórico europeu", nas palavras de Naumann e Bartoszewski. (lk)

Leia mais