1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Vicente Berenguer Llopis, “o padre branco de coração negro”

Mudou-se para Moçambique em 1967. Ia pregar o Evangelho, mas a sua missão acabou por ir mais longe: o missionário espanhol apostou na educação como forma de combater a pobreza e denunciou o Massacre de Wiriyamu.

Quando chegou a Moçambique, Vicente Berenguer instalou-se na província central de Tete, mais tarde mudou-se para a capital, Maputo, e hoje vive na vila de Ressano Garcia, na fronteira com a África do Sul.

Em Moatize, Tete, apercebeu-se de que a maioria dos moçambicanos com quem tinha contacto tinha concluído apenas a quarta classe e que grande parte era analfabeta. Começava assim o seu envolvimento na educação: na vila carbonífera mandou construir o primeiro liceu.

Nos anos 1970, Berenguer enfrentou as políticas colonialistas portuguesas que excluíam a população negra não assimilada, foi interrogado diversas vezes pela PIDE, a polícia política portuguesa, e convidado a deixar Moçambique. O povo, esse, confiava nele, diz o padre espanhol.

DW África: Alguns moçambicanos vêem-no como o “padre branco de coração negro”. Como interpreta esta alcunha?

PV: Eu estava na missão de Changara, a FRELIMO [Frente de Libertação de Moçambique] descia já das zonas do norte de Mucumbura para a zona de Changara e começou a ter contactos tanto com a missão como com a população, era um sistema que utilizavam. Então, um dia numa aldeia, Cancuni, havia um grupo de homens que eu conhecia a falar e quando eu cheguei, eles fecharam a boca todos. O velho Zoni utilizou esta frase: “mas por que fechámos a boca se o padre Vicente é branco, mas o coração dele é preto como o nosso?” Queria dizer: „ele está a sentir como moçambicano”.

Ouvir o áudio 09:40

Ouça a entrevista a Vicente Berenguer Llopis

DW África: Como alguém de fora, como espanhol, a quem a independência de Moçambique não dizia diretamente respeito, como começou a interessar-se por essa causa?

PV: Eu acho que [perante] qualquer injustiça, seja dada onde for, ainda que não seja no nosso país, somos obrigados a defender os direitos das pessoas. Via-se claramente que este povo tinha o direito à independência. Portanto, ainda que eu fosse espanhol, estava a trabalhar aqui e tinha de me inteirar dos direitos deste povo.

DW África: E chegou a levantar a voz de forma direta em prol dessa causa. Quando começou essa sua postura ativa?

PV: Não podemos dizer que houve um momento determinado em que levantámos a voz. Talvez tenha sido o dia-a-dia do nosso trabalho em que alguém podia reparar que nós realmente estávamos a favor da independência. Houve certos momentos em que tivemos de nos pronunciar. Houve uma reunião famosa entre os padres brancos e, sim, declarámos abertamente que este povo tinha o direito à independência. “Vamos ser expulsos, mas por enquanto podemos trabalhar aqui dentro, ainda consciencializando muitas coisas.” Então, os padres brancos optaram por fazer uma declaração. Quando colocaram um avião no aeroporto da Beira, penso que 44 foram expulsos. Nós continuámos a trabalhar aqui fazendo tomar consciência da realidade deles, do orgulho da própria cultura, do ser moçambicano, do ser africano e daqueles direitos que tinham a ser um povo independente e a levar-lhes a renda da nação deles.

DW África: O que é que distinguia o seu dia-a-dia durante a época da luta de libertação de uma época em que não houvesse luta armada?

PV: Era uma vida mais tensa. Porque não podemos esquecer que nós estávamos rodeados por um exército português, estávamos rodeados por uma PIDE, estávamos rodeados por muitos portugueses que se sentiam feridos quando se falava dos direitos deste povo. Então, era uma tensão constante.

Eu fui interrogado pela PIDE x vezes. Eles encontravam, por exemplo, medicamentos de origem espanhola em bases que eles atacavam ou em aldeias. E perguntavam-me se eu conhecia. Sim, eu conhecia, “fui eu que entreguei.” “Então, o senhor entregou à FRELIMO.” “Não, eu entreguei à população. Nunca vi escrito na cabeça de ninguém: FRELIMO. Eu entrego à população, mesmo mantas e tudo isso.”

Uma vez eu fui mais para o interior e a tropa portuguesa estava a recolher as pessoas para irem para os aldeamentos e eu fui apanhado pela tropa portuguesa. Então, queriam que eu voltasse e eu disse: “Preso eu vou. Agora se não vou preso, eu continuo o trabalho por aqui.” Havia aquela concordata, era muito difícil eles prenderem-te sem uma causa muito, muito clara. Então, as vezes em que fui interrogado pela PIDE, em Tete, foi simplesmente à base de suspeitas.

Assistir ao vídeo 07:54

Vídeo da entrevista a Vicente Berenguer Llopis (Flash)

DW África: Que consequências tinham esses interrogatórios?

PV: [Os interrogatórios mostravam que] realmente estávamos a ser vigiados. Mesmo dentro de grupos de moçambicanos havia pessoas que podiam participar à PIDE partes da tua vida e do teu trabalho.

DW África: No dia 16 de dezembro de 1972, as tropas portuguesas atacaram três aldeias na província de Tete: as povoações de Chawola, Juwau e Wiriyamu. Os sobreviventes do massacre, que ficou conhecido como Massacre de Wiriyamu, relataram os acontecimentos a missionários espanhóis. Um deles foi o senhor…

PV: Eu ia de machibombo de Changara até Tete. E quando passámos por essas aldeias, estavam todas em chamas e toda a gente estava a correr para a estrada. Parámos aí, a gente berrava e dizia que estavam a ser mortos, chacinados, bombardeados e foram subindo para o machibombo até não caberem mais e fomos até Tete. Outros foram a pé e como puderam fugir. Tete não fica tão longe de Wiriyamu. Portanto, eu fui, diríamos, testemunha, porque vi as chamas e ouvi aquelas pessoas.

DW África: Denunciou o Massacre de Wiriyamu a nível internacional. Como fez a denúncia?

PV: Quando Marcelo Caetano visitou a Inglaterra, Adrian Hastings [um padre católico inglês] publicou este relatório que fizemos, cada um colaborou no que podia, uns com nomes, outros com ideias. Bom, negaram que isso fosse real e negaram mesmo a existência de Wiriyamu. E através da Justiça e Paz fomos à Alemanha, Holanda, Bélgica e Inglaterra. Então, aí denunciámos através da televisão, através de palestras, através de tudo. Pedimos que viesse aqui uma comissão ver que Wiriyamu existia e que os massacres tinham sido realizados e que as centenas de pessoas ainda estavam lá. Na Holanda, o cardeal Alfrink imediatamente telefonou para Roma e a igreja mexeu-se muito neste sentido e os políticos também.

DW África: Há historiadores que consideram que este massacre mudou o rumo da guerra colonial. Concorda?

PV: Bom, eu pessoalmente acho que não. Eu acho que isto estava a cair já, mesmo a tropa estava desanimada, podia haver dirigentes do exército fortes, mas o que eu via com os soldados portugueses, eles estavam desanimados, diziam que isto não era para eles, era a ganância económica de alguém, não era para eles nem para Portugal. Eu acho que isto estava a decair já. Antes já tinha havido importantes massacres, em Mucumbura, Inhaminga. Só que este de Wiriyamu passou para fora. E aproveitou-se também a ida de Marcelo Caetano ao exterior e [teve mais projeção], mas eu acho que já se estavam a preparar. Só que, enquanto Mucumbura estava a 300km de Tete, Wiriyamu estava às portas de Tete. E a cidade de Tete corria perigo. E o mundo ficou escandalizado quando [os relatórios] foram publicados.

Kriegsoperationen der portugiesischen Armee in Mosambik

Operações de guerra do exército português no norte de Moçambique (1968)

DW África: Acha que ainda existem feridas na população moçambicana relacionadas com a guerra de libertação?

PV: Não, eu acho que a FRELIMO sempre soube explicar muito, muito bem que a guerra não era contra os portugueses, era contra o exército português, o Governo português. Portanto, eu acho que não houve feridas, diríamos assim. Se há alguma ferida, pode ser daqueles mais extremistas, no sentido de racistas, ao ver que aqui há brancos moçambicanos com todos os direitos, de quatro, cinco, seis gerações, podem sentir-se um bocado feridos, mas da luta de libertação, eu acho que não.

DW África: Houve algum episódio da guerra de libertação que o tenha marcado especialmente?

PV: Um [episódio] caricato muito bonito foi que eu uma vez recebi uma encomenda de Espanha, umas canas de bambu pequenas, porque na aldeia onde vivia o meu irmão fazem muita mobília de bambu importado. E ele queria vir aqui ver se havia. E eu falei que aqui, onde eu estava, não havia bambu. E eles pensavam que eu não sabia o que era bambu. E enviaram-me numa caixinha uns pedacinhos de bambu. E aí chamou-me a PIDE em Changara, nos correios, para eu dizer o que era isso. “Isto é bambu.” “Parte para saber se é bambu ou não. Vamos partir isto para saber o que tem dentro.” “Podem partir, mas isso é bambu”. Então, é caricato desconfiar de umas canas pequenitas. Não sei se havia algum segredo, mas era bambu tapado. É uma coisa caricata.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados