1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Trabalhador angolano sofre "degradação progressiva" de direitos, diz central sindical

Às vésperas do 1.º de maio, Central Geral de Sindicatos Independentes e Livres de Angola fala em "insegurança" no futuro dos trabalhadores do país.

default

Greve de enfermeiros em Luanda (Foto de arquivo / março de 2014)

A Central Geral de Sindicatos Independentes e Livres de Angola (CGSILA) caracteriza a situação dos trabalhadores angolanos como sendo "bastante preocupante" e denuncia o que considera ser "insegurança no seu futuro", devido à "degradação progressiva" de direitos.  

Numa nota em alusão ao 1.º de maio, Dia Internacional do Trabalhador, divulgada esta sexta-feira (28.04), a central sindical faz uma avaliação negativa da situação dos empregados em Angola, "a julgar pela degradação progressiva das condições socioeconómicas, laborais e sindicais dos trabalhadores".

Entre as dificuldades, a central sindical enumera 11 inquietações, de que destaca o "elevado índice de desemprego entre a população economicamente ativa, o crescente número de despedimentos em consequência do encerramento de vários postos de trabalho, e a acentuada perda de do poder de compra do salário real".

Servidores públicos

A central sindical chama ainda a atenção para as dificuldades vividas pelos trabalhadores do setor público. Mais concretamente, a nota expressa preocupação com os últimos desenvolvimentos no setor da educação, "reconhecendo a legitimidade das reivindicações assumidas pelos sindicatos afetos ao setor".

"A CGSILA apresenta a sua solidariedade com os professores e trabalhadores do setor da educação, subsistema não universitário, pela coragem na luta em defesa dos seus interesses, sendo certo que os servidores de hoje caminham para a velhice e reformas, porém a educação e o ensino hão de continuar o seu rumo, desde que os homens de hoje sejam bem formados e contributivos", lê-se no comunicado.

Os professores angolanos suspenderam este sábado (29.04) a segunda fase de uma greve, que iniciou na passada terça-feira (25.04). O Sindicato Nacional dos Professores angolanos definiu um cronograma de ações com o Ministério da Educação, que deve ser cumprido até finais de junho. Caso o acordo não seja cumprido, categoria ameaça retomar a paralisação.

Segundo a central sindical, o Governo angolano precisa "manter a sensibilidade, reconhecendo no trabalhador a importância da sua existência e colaboração como um dos pilares essenciais para o desenvolvimento do país".

 

Leia mais