1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Professores angolanos novamente em greve

Professores do ensino geral cumprem a partir desta terça-feira um segundo período de paralisação, por aumentos salariais e atualização de carreiras. Propostas que aguardam resposta do Governo angolano desde 2013.

default

Em abril, dezenas de escolas em Luanda fecharam portas por falta de professores

Este segundo período de paralisação, até 5 de maio, segue-se a novas conversações entre os professores e o Ministério da Educação, nomeadamente um encontro a 18 de abril que o Sindicato dos Professores Angolanos (SINPROF), que convocou a greve,  descreveu como "ineficaz", quanto aos pontos reivindicados, como "atualização de categorias, reajuste salarial, subsídios em falta, passagem à efetividade e condições de trabalho".

"Mantida a interrupção do processo de atualização de categorias, com mais de oito anos sem haver promoções, estes factos têm penalizado a classe e pesam negativamente na motivação dos professores nas salas de aulas", acusa o sindicato.

O SINPROF diz aguardar desde 2013 por respostas do Governo e das direções provinciais de Educação ao caderno reivindicativo, nomeadamente sobre o aumento do salário, a promoção de categoria e a redução da carga horária, mas "nem sequer 10% das reclamações foram atendidas".

Retaliações e intimidações

Entre 5 e 7 de abril, na primeira fase da paralisação, dezenas de escolas em Luanda fecharam portas por falta de professores, cenário que se repetiu em várias províncias, por entre denúncias dos docentes de "retaliações e intimidações", sobretudo no interior do país.

Demonstration der SINPROF in Lubango, Angola

SINPROF reclama condições de trabalho

"Um pouco por todo país estamos a sofrer retaliações tendo em conta a greve que tivemos nos dias 05, 06 e 07 de abril. Inúmeros professores que não estão a lecionar na Luanda Sul por ameaças de desativação de nomes nas fichas do Estado", acusou na altura Guilherme Silva, presidente do SINPROF.

O dirigente sindical exortou também o Governo a fazer uma "leitura" da greve, porque os professores "são profissionais que formam outras profissões" e que precisam "maior valorização".

O ano letivo de 2017 em Angola arrancou oficialmente a 1 de fevereiro, com quase 10 milhões de alunos nos vários níveis de ensino, decorrendo as aulas até 15 de dezembro. Uma terceira fase desta greve interpolada está prevista para o mês de junho.

 

 

Leia mais