1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Nito Alves faz greve de fome na cadeia

De acordo com Walter Tondela, advogado de defesa de seis dos 15 ativistas detidos, Manuel Nito Alves receia alimentar-se da comida fornecida pelos Serviços Prisionais. Pai de Nito Alves, Fernando Baptista, confirma.

Manuel Nito Alves é um dos 15 ativistas detidos a 20 de junho em Luanda, acusados de crime de rebelião contra o Estado. Antes, ele já havia sido detido pelas autoridades angolanas. Em 2014, chegou a ser julgado - e absolvido - por insultos ao Presidente de Angola, José Eduardo dos Santos.

Em entrevista à DW-África, o pai de Nito Alves, Fernando Baptista, diz discordar que os ativistas preparavam-se para fazer um golpe de Estado, confirma que seu filho não está a alimentar-se e que não consegue entrar em contacto com ele.

DW-África: Foi à cadeia para visitar o seu filho, Manuel Nito Alves. Que informações tem sobre a situção dele, neste momento?

Fernando Baptista: Ele está há três dias em greve de fome e não nos foi permitida a visita a ele. Encontra-se carcerário. Está sempre nas celas, mais alguns colegas. Entregamos a comida aos indivíduos da unidade penitenciária que fazem a entrega da alimentação dos detidos na celas. É só isso que eu vi. Eu não vi o meu filho.

DW-África: Então não conseguiu falar com ele?

FB: A nossa autoridade não permite que falemos com os nossos filhos que estão aí detidos.

Angola Aktivist Manuel Nito Alves

Ativista angolano Nito Alves

DW-África: Na sua opinião, seu filho Nito Alves cometeu um crime?

FB: Eu acho que não é nenhum crime. O que querem é intimidar a população. Como as pessoas reclamam da má governação do nosso governo, [o Presidente angolano, José Eduardo dos Santos] sente-se ofendido. E quando as pessoas lhechamam de ditador, ditador é aquela pessoa que não aceita que as pessoas esclarecem daquilo que sentem que está errado. Aqui em Angola a democracia não se faz sentir.

O meu filho está detido injustamente. Só que os jovens são ativistas, nunca foram militares. Para a pessoa fazer golpe de Estado, tem que ter capacidade, tem que ser um indivíduo que tem patente muito alta. Agora, eles [as forças de segurança angolanas] encontraram os miúdos a estudarem um livro, uma palestra que fala do indivíduo ditador. Acho que não é um crime porque, sendo civis, estudantes, sem armamento, é difícil fazer golpe de Estado. Golpe de Estado se faz com poderes. Poderes que sao indivíduos que pertencem aos quadros superiores.

DW-África: Independentemente de tudo, como pai, como se sente com um filho na cadeia – e não é a primeira vez que o Nito Alves vai para a cadeia?

FB: Meu filho foi sempre torturado, mesmo preso. Já uma vez já ele esteve detido por ter impresso 20 camisolas dizendo "ditador". Ele [o Presidente angolano] achou que fosse um crime que pretendiam lhe tirar o po der. Agora, suponhamos, será que um livro ou apontamentos de algumas frases que falam da ditadura é um crime? Será que um livro também é uma faca, é uma flecha?

Ouvir o áudio 02:50

Nito Alves faz greve de fome na cadeia

Eu não concordo que esses jovens preparavam-se para fazer um golpe de Estado. Mas como ele [JES] quer intimidar as pessoas para que não reclamem dos seus direitos, faz tudo o que quiser, da sua forma, sem correr os direitos que fazem parte da democracia ou dos direitos humanos.

DW-África: Sabemos que da outra vez em que esteve preso, Nito Alves teve graves problemas de saúde. Neste momento, como está a saúde dele?

FB: Não conseguiram conversar com ele. A mãe viu-lhe por uma distância. Só saiu da porta, não se aproximou para falar com a mãe. A mãe viu o Nito. Está totalmente magrinho, porque desde que eles foram presos, continuam sempre na cela. Quer dizer, não se vê pela parte da Justiça, que se resolva a situação dos miúdos.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados