1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Ministro alemão dos Negócios Estrangeiros promete ajudar o Mali

Na primeira visita ao continente africano como titular da pasta dos Negócios Estrangeiros, Sigmar Gabriel garante que a Alemanha quer apoiar o país em crise, um ponto-chave da política externa de Berlim.

Foi uma visita relâmpago: o ministro alemão dos Negócios Estrangeiros, Sigmar Gabriel, esteve apenas um dia no Mali. Juntamente com o homólogo francês, Jean-Marie Ayrault, visitou a base da força da ONU no país, a MINUSMA, na cidade de Gao, no norte, onde se encontrou com o contingente alemão e francês. Gabriel classificou a situação na região como "uma das maiores crises”, marcada pelo terrorismo e pela fuga da população.

Os dois ministros seguiram depois para a capital, Bamako, onde foram recebidos pelo Presidente Ibrahim Boubacar Keita.

O Mali está em crise desde a insurgência tuaregue e um golpe militar, há cinco anos. Combatentes extremistas islâmicos ocuparam o norte do país. Com a intervenção das tropas francesas, foram expulsos em 2013. O Governo e vários grupos rebeldes assinaram um acordo de paz e cerca de 11 mil tropas da ONU são responsáveis por garantir a segurança. Mais de 780 destes soldados são alemães.

Ataques todas as semanas

"Todas as semanas há ataques e assaltos a várias instalações”, diz um comandante alemão, descrevendo a situação de violência no norte do Mali, onde os grupos rebeldes, na maioria radicais islâmicos, se recusam a participar no acordo de paz.

Dois dias antes da visita dos chefes da diplomacia alemã e francesa, um soldado francês morreu na região de Douentza, perto da fronteira com o Burkina Faso, num ataque reivindicado por uma nova formação radical islamica que reúne vários grupos do Sahel. Durante a visita, recordaram-se também os diversos ataques contra funcionários da ONU no país.

Ponto-chave da diplomacia alemã

Außenminister Sigmar Gabriel in Mali (picture-alliance/dpa/M. Kappeler)

Jean-Marc Ayrault e Sigmar Gabriel em Gao

O Mali é um país-chave para a Alemanha. Prova disso é a lista das visitas alemãs ao país: no ano passado, incluiu a chanceler Angela Merkel, o antigo ministro dos Negócios Estrangeiros, Frank-Walter Steinmeier e o Presidente alemão, Joachim Gauck.

O Mali é um dos países de trânsito para os refugiados a caminho da Europa. "Queremos e precisamos de ajudar”, afirma Sigmar Gabriel. "O Mali é um país de baixos rendimentos, muitos jovens não vêem oportunidades para ficar aqui.”

Fuga para a Europa, criação de melhores condições em África, estabilização dos estados vulneráveis: são as frases que marcam a actual política alemã para África. O elevado número de refugiados africanos fez estremecer a estratégia de Berlim. A chanceler Angela Merkel declarou África o foco da presidência alemã do G20.

Os membros do Governo alemão têm vindo a propor vários conceitos para o desenvolvimento do continente. O ministro do Desenvolvimento, Gerd Müller tem estado a promover o seu "Plano Marshall para África”. O ministro das Finanças, Wolfgang Schäuble, coordena o "Compact for Africa”, um projeto que visa estimular o investimento privado internacional no continente. A ministra da Defesa, Ursula von der Leyen organizou recentemente uma conferência africana. O ministro dos Negócios Estrangeiros, Sigmar Gabriel, segue agora o mesmo caminho com a visita ao Mali.

Mais infraestruturas

Außenminister Sigmar Gabriel in Mali (picture-alliance/dpa/M. Kappeler)

Sigmar Gabriel e polícias alemães da MINUSMA

"Para que haja desenvolvimento, é importante a construção de infraestruturas, mas também a garantia da segurança. Não apenas em torno dos acampamentos mas também na chegada rápida a outras localizações. Por isso, temos de expandir as infraestruturas”, disse Gabriel em declarações aos jornalistas, durante a visita.

O seu homólogo francês também prometeu mais apoio ao Mali: ”Gostaria de dizer umas palavras aos nossos cidadãos da Alemanha e França. Os países africanos precisam de ajuda na implementação dos programas de educação e investimento. África tem um enorme potencial de desenvolvimento com a sua juventude”, afirmou Jean-Marie Ayrault.

No Mali, os progressos estão a ser feitos lentamente, diz o ministro alemão dos Negócios Estrangeiros: "Os progresso são pequenos e estão a ser feitos passo a passo. Não podemos esperar que um conflito como este seja resolvido num curto espaço de tempo.”

Negociações com radicais islâmicos fora de questão

Ao lado dos chefes das diplomacias alemã e francesa, o ministro maliano para a diáspora e a migração, Abdramane Sylla, afirmou esta sexta-feira, em Bamako, que seria "absurdo” negociar com os radicais islâmicos que reivindicam ataques contra as forças malianas e internacionais.

Na semana passada, uma conferência de paz no Mali terminou com apelos a conversações com os líderes de dois grupos extremistas. "Num momento em que o povo maliano está a discutir a paz, alguém continua a reivindicar ataques. É absurdo negociuar com estes terroristas, especialmente porque acabam de declarar guerra a 11 países”, disse Sylla.

O ministro francês dos Negócios Estrangeiros concorda: "São terroristas. Como se negoceia com terroristas? Isto é uma luta sem ambiguidade.”

Leia mais