1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Manifestação em Luanda para contestar Isabel dos Santos na Sonangol

Alguns setores da sociedade civil angolana querem realizar a 26 de novembro, em Luanda, manifestação contestando a falta de decisão sobre a providência cautelar contra a nomeação de Isabel dos Santos para Sonangol.

O anúncio foi feito em carta, enviada esta terça-feira (11.10.) ao Governo da Província de Luanda, à qual a agência Lusa teve acesso, em que se refere tratar-se de uma manifestação pacífica, a realizar entre as 15:00 e as 20:00 horas.

 A carta é subscrita pelo antigo primeiro-ministro de Angola, Marcolino Moco, pelo jornalista William Tonet, pelo professor universitário Fernando Macedo, pelo ativista luso-angolano Luaty Beirão e pela ativista de direitos humanos Sizaltina Cutaia.

 Os seus promotores sublinham que o "objeto da manifestação e reunião é político".

"Visa protestar pacífica e publicamente contra a denegação de Justiça pelo Tribunal Supremo de Angola em relação à Providência Cautelar intentada junto deste mesmo tribunal por causa da nomeação inconstitucional e ilegal de Isabel dos Santos para o cargo de PCA [presidente do conselho de administração] da Sonangol pelo Presidente da República de Angola”, lê-se na carta.O protesto é igualmente "contra a omissão da Procuradoria-Geral da República depois de ter recebido notícia, por via dos advogados da causa, da inconstitucionalidade e ilegalidade desse ato administrativo praticado pelo Presidente da República de Angola”.

Manifestação únicamente no Largo da Independência

Angola Isabel dos Santos spricht zu Journalisten (Reuters/E. Cropley)

Isabel dos Santos

Os subscritores especificam na carta que a manifestação "não vai ser um desfile nem uma marcha", circunscrevendo-se em termos de espaço físico ao Largo da Independência.

Os advogados autores da providência cautelar interposta para suspender a eficácia da posse de Isabel dos Santos como presidente da petrolífera Sonangol anunciaram uma reclamação para o Tribunal Supremo, ao fim de 100 dias sem resposta à petição inicial, e também um recurso para o Tribunal Constitucional.

A informação foi avançada no final de setembro pelo advogado e porta-voz deste grupo, David Mendes, alegando "denegação de Justiça".

São 12 os advogados angolanos que assinam a petição que deu entrada no Tribunal Supremo, em Luanda, a 10 de junho, colocando em causa a legalidade da decisão de nomeação (oito dias antes) da empresária pelo seu pai e chefe de Estado, José Eduardo dos Santos, e pedindo a suspensão da decisão.

Isabel dos Santos tomou posse como Presidente do Conselho de Administração (PCA) da Sonangol a 06 de junho.

Prazo para a resposta do tribunal "há muito ultrapassado”

Angola Anwalt David Mendes (DW/P.B. Ndomba)

Advogado David Mendes

O advogado e porta-voz do grupo, David Mendes, afirmou a 21 de setembro, em conferência de imprensa, em Luanda, que o prazo máximo de 45 dias para que o tribunal se pronunciasse sobre a providência cautelar foi há muito ultrapassado, o mesmo acontecendo com as participações enviadas à Procuradoria-Geral da República e Presidência da República, também sem resposta.

"A falta de decisões representa denegação da Justiça, porque coloca em causa o próprio efeito prático. Estamos perante um silêncio de solidariedade institucional, em que ninguém se pronuncia sobre este recurso e as queixas apresentadas por nós. É muita coincidência, mas não queremos que com o silêncio se esqueça este assunto", apontou na ocasião David Mendes.

Recordou que até ao momento não há sequer um "despacho de recebimento ou de rejeição liminar" da providência cautelar, o que confere uma "ilegalidade" do Tribunal Supremo por "se recusar a pronunciar" sobre o processo: "Se os danos já se realizaram, então já não há nada a acautelar".

Estes advogados e a associação cívica Mãos Livres já anunciaram anteriormente a intenção de avançar com uma queixa por violação da Constituição junto do Tribunal Constitucional, alegando precisamente "denegação de Justiça" do Supremo pelo "silêncio" e falta de eficácia de qualquer decisão judicial que surja agora.

 

 

 

 

 

Leia mais