Domingos Simões Pereira reeleito líder do PAIGC | Guiné-Bissau | DW | 05.02.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Domingos Simões Pereira reeleito líder do PAIGC

Domingos Simões Pereira, de 55 anos, foi reeleito líder do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), principal partido com assento no Parlamento da Guiné-Bissau.

default

Domingos Simões Pereira: "Assumo também o desafio de vencer as próximas eleições"

Simões Pereira, que era único candidato à sua própria sucessão, obteve 1.113 votos a favor, três contra, num universo de 1.135 delegados que votaram. Noventa e seis delegados inscritos não compareceram ao congresso e 16 abstiveram-se, indicou o presidente do 9.º congresso do PAIGC, Francisco Benante.

Este congresso, que foi palco de polémicas ao ponto de só se iniciar com um dia de atraso, decorreu sob o lema" Unidade, Disciplina, Progresso e Desenvolvimento".

No seu discurso de consagração, Domingos Simões Pereira afirmou que a votação alcançada "é uma mensagem clara" que os militantes quiseram transmitir para dentro e fora do partido, visando a "reposição do PAIGC na governação" nas próximas eleições.

"Assumo não só o desafio de liderar o nosso partido durante os próximos quatro anos, mas também o desafio de vencer as próximas eleições", declarou Domingos Simões Pereira, frisando que a disciplina e a coesão internas serão elementos fundamentais daqui para frente.

Prometeu continuar a "colocar o PAIGC a nível da sua dimensão histórica", das expetativas do povo e dos seus parceiros internacionais, apresentando já nas eleições legislativas - ainda sem data marcada- um programa com o qual visará "resgatar o sonho guineense", disse.

Domingos Simões Pereira quer maioria qualificada

Domingos Simões Pereira diz que vai pedir aos guineenses uma maioria qualificada nas eleições que o Presidente do país espera venham a ter lugar ainda este ano. Disse ainda que o PAIGC "tem que estar" alinhado com desafios de atualidade mesmo sendo um partido ao serviço das massas.

Em relação aos desentendimentos que marcaram o partido nos últimos quatro anos, que ditaram a expulsão de 15 deputados ao parlamento, Domingos Simões Pereira afirmou que as portas do PAIGC "continuam sempre abertas" e que os contestatários deverão ir à sede discutir os seus pontos de vista.

"Mas no final do dia têm que reconhecer que a maioria é que governa em democracia", sublinhou Domingos Simões Pereira. 

O 9º congresso confirmou algumas mudanças nos estatutos do PAIGC, nomeadamente a extinção do artigo que permitia a existência de sensibilidades no partido. 

O porta-voz do partido, João Bernardo Vieira indicou que aquele dispositivo "propiciava interpretações confusas aos militantes", ao ponto de alguns afrontarem a direção, afirmou.

Leia mais