Dezenas de homens presos na fronteira dos Camarões com a Guiné Equatorial | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 30.12.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Dezenas de homens presos na fronteira dos Camarões com a Guiné Equatorial

Polícia camaronesa prendeu 38 homens fortemente armados que se dirigiam para a Guiné Equatorial, informou fonte militar esta sexta-feira (29.12). Diplomata fala em tentativa de desestabilizar a Guiné Equatorial.

Kamerun Amchide Polizei Spezial Soldaten Anti Boko Haram 07/2014 (Reinnier Kaze/AFP/Getty Images)

Soldados especiais da Polícia dos Camarões (foto ilustrativa)

Os 38 suspeitos, que foram detidos em um ônibus na fronteira dos Camarões, na passada quarta-feira (27.12), tinham lançadores de foguetes, rifles e muita munição, segundo informações divulgadas pela agência AFP.

As polícias militar e local lançaram uma investigação sobre as intenções dos homens, que são nacionais do Chade, da República Centro-Africana, dos Camarões e da própria Guiné Equatorial.

Teodoro Obiang Nguema Äquatorial Guinea (picture-alliance/dpa/S.Lecocq)

Teodoro Obiang Nguema, Presidente da Guiné Equatorial

A prisão dos homens armados aconteceu um dia antes do principal partido da oposição da Guiné Equatorial, Cidadãos para a Inovação (CI), denunciar a detenção de "dezenas" de ativistas nas sedes do CI, na capital Malabo, e na cidade portuária de Bata.

O partido disse que pelo menos 50 ativistas já haviam detidos desde as eleições gerais de 12 de novembro, nas quais o partido no poder do Presidente Teodoro Obiang Nguema obteve uma vitória esmagadora com 92% dos votos.

As eleições foram amplamente criticadas por grupos da oposição como fraudulentas.

Troca de acusações

No entanto, em conferência de imprensa, o embaixador da Guiné Equatorial na França, Miguel Oyono Ndong Mifumu, referiu-se ao incidente como uma "vontade de desestabilizar a qualquer preço" o seu país, enfatizando a "coincidência" da "invasão mercenária" com a "campanha" do partido Cidadãos para a Inovação (CI), que denuncia a prisão de dezenas de seus ativistas.

Ndong Mifumu disse ainda que seu país não persegue "adversários políticos", mas que o Ministério Público convocou militantes do CI - por supostamente estarem envolvidos em ações violentas nos últimos meses.

Äquatorialguinea 2016 Präsidentschaftswahl (Getty Images/AFP/STR)

A Guiné Equatorial realizou eleições presidenciais em abril de 2016

"Aqueles que infringiram a lei têm que responder perante os tribunais", disse Oyono Ndong.

O embaixador da Guiné Equatorial em França recusou-se a dar números de pessoas presas ou convocadas pelos tribunais e indicou que a investigação está em andamento.

Ele disse ainda uma invstigação está em curso para verificar se há implicações "internas", mas enfatizou que "a calma prevalece na Guiné Equatorial".

A Guiné Equatorial, que também faz fronteira com o Gabão, é um dos maiores produtores de petróleo da África Sub-Saariana, mas uma grande proporção de seus 1,2 milhões de habitantes ainda vive na pobreza.

Leia mais