1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

CIP descobre mais dívidas do Governo moçambicano

Centro de Integridade Pública (CIP) acusa Governo moçambicano de continuar a contrair empréstimos "sem nenhuma transparência" após escândalo das dívidas ocultas.

Numa análise intitulada "Governo continua a contrair empréstimos sem nenhuma transparência", o Centro de Integridade Pública de Moçambique (CIP) acusa o Governo de ter contraído empréstimos sem o conhecimento do Parlamento, entre 2015 e 2016.  

O relatório publicado na terça-feira (15.08) pela organização não-governamental refere que as autoridades moçambicanas contraíram uma dívida de 4,4 mil milhões de meticais (61 milhões de euros) a favor da Administração Nacional de Estradas (ANE) e de 3,1 mil milhões de meticais (43 milhões de euros) para o Porto de Pesca da Beira, junto do EximBank da China.

O CIP afirma que chegou a esta conclusão ao comparar a Conta Geral do Estado de 2016 (CGE) com o Relatório de Execução Orçamental (REO) do mesmo ano, ambos publicados no portal da Direção Nacional do Orçamento do Ministério da Economia e Finanças.

Mosambik Präsident Filipe Nyusi

Filipe Nyusi, Presidente de Moçambique

"Como em anos anteriores, as cifras orçamentais realizadas na CGE diferem das do REO. É natural que haja algumas divergências nos documentos, uma vez que a CGE apresenta uma análise mais consolidada das contas públicas", lê-se na análise do CIP.

No entanto, prossegue o documento, às vezes, as diferenças são bastante significativas, o que impede análises com qualidade e fidelidade necessárias sobre as contas públicas.

Dívidas atrás de dívidas

De acordo com o CIP, na CGE figuram 220,6 mil milhões de meticais de despesas (3,1 mil milhões de euros) e no REO estão 209,9 mil milhões de meticais de despesas (2,9 mil milhões de euros).

Essa discrepância traduz um aumento de 8,6% nas despesas a nível central na CGE de 2016 comparado com o REO 2016. 

"A categoria que mais influenciou este aumento foi a de Operações Financeiras Ativas, em especial Empréstimos de Retrocessão", refere o texto.

Para o CIP, o Governo devia "gerir de forma transparente a concessão e utilização dos seus empréstimos, dada a perda total de credibilidade na gestão da dívida resultante das dívidas ocultas de mais de 1 bilhão de dólares americanos", refere o relatório.

Em abril do ano passado, a imprensa internacional revelou que o anterior Executivo moçambicano garantiu secretamente empréstimos de mais de mil milhões de euros a favor das empresas ProIndicus e Mozambique Asset Management (MAM), ligadas à segurança marítima, entre 2013 e 2014.

A descoberta das dívidas levou os principais doadores do Orçamento do Estado e as instituições financeiras internacionais a suspenderem a sua ajuda ao país, condicionando o reatamento do apoio a uma auditoria internacional às dívidas.

Os encargos descobertos em abril de 2016 somaram-se a mais de 700 milhões de euros, que o Executivo moçambicano garantiu em 2013 a favor da Empresa Moçambicana de Atum (EMATUM), à revelia da Assembleia da República e dos doadores internacionais.

Leia mais

Links externos