1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Spanien - Vulkanausbruch in Tacande
Foto: Juan Medina/REUTERS

Vulcão volta a destruir prédios nas Ilhas Canárias

9 de outubro de 2021

Lava do Cumbre Vieja já destruiu mais de 800 edifícios desde que o vulcão entrou em erupção em 19 de setembro. Neste sábado, rios de lava arrastaram ao menos quatro prédios.

https://www.dw.com/pt-br/vulc%C3%A3o-volta-a-destruir-pr%C3%A9dios-nas-ilhas-can%C3%A1rias/a-59456320?maca=bra-rss-br-all-1030-rdf

Edifícios próximos ao vulcão Cumbre Vieja, na ilha espanhola de La Palma, foram engolidos por rios de lava na manhã deste sábado (09/10).

O vulcão entrou em erupção em 19 de setembro e, desde então, já destruiu mais de 800 prédios e forçou a evacuação de cerca de 6.000 pessoas de suas casas. La Palma fica no arquipélago das Canárias, no Atlântico, e tem uma população de cerca de 83.000 pessoas.

Neste sábado, o magma levou pelo menos quatro prédios no vilarejo de Callejon de la Gata. Além disso, relâmpagos foram vistos perto da erupção. Um estudo publicado em 2016 pela revista Geophysical Research Letters descobriu que raios podem ser produzidos durante erupções vulcânicas porque a colisão de partículas de cinza cria uma carga elétrica.

Também houve neste sábado uma série de 37 movimentos sísmicos, informou o Instituto Geológico Nacional Espanhol.

Foto aérea mostra vulcão expelindo lava e a lava escorrendo.
Lava do vulcão já destruiu ao menos 150 hectares de terras cultivadasFoto: Juan Medina/REUTERS

A lava do vulcão já destruiu mais de 150 hectares te terras agrícolas, a maior parte delas usada para o cultivo de bananas, uma das principais atividades econômicas da ilha.

O aeroporto de La Palma está fechado desde quinta-feira por causa das cinzas, informou a operadora de tráfego aéreo espanhola Aena. Outros aeroportos do arquipélago, porém, permanecem abertos.

Em 28 de setembro, a lava do Cumbre Vieja chegou ao oceano Atlântico, formando altas colunas de vapor devido à diferença de temperatura entre o mar e o magma.

O momento do impacto com a água salgada era temido por especialistas, devido à possibilidade de explosões, ondas de água fervente e liberação de gases tóxicos. Mas as piores previsões não se concretizaram e, segundo cientistas, o vapor representa um risco baixo para a população da ilha.

le (reuters, ots)