Vice-campeonato europeu e desavenças internas marcam ano da seleção alemã | Siga a cobertura dos principais eventos esportivos mundiais | DW | 29.12.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Esporte

Vice-campeonato europeu e desavenças internas marcam ano da seleção alemã

Derrota para a Espanha na final da Euro 2008 e desavenças entre o técnico Joachim Löw e os jogadores Kevin Kuranyi, Michael Ballack e Torsten Frings marcam o ano da seleção alemã.

default

A equipe vice-campeã européia de 2008

"Tragam o caneco", pedia uma música que embalava a seleção alemã durante os jogos da Euro 2008. Mas quem acabou erguendo o "caneco" na Áustria foi o capitão espanhol, Iker Casillas.

A final do principal torneio de seleções da Europa foi em 29 de junho, e a festa espanhola tomou conta do estádio Ernst Happel, em Viena. A Espanha comemorou o título após a vitória de 1 a 0 sobre a Alemanha.

Decepções e superação

Um título justo: enquanto os espanhóis brilharam em campo com um futebol ofensivo, as apresentações da equipe alemã no torneio foram apenas medianas. Depois da aclamada vitória por 2 a 0 sobre a Polônia, na estréia, veio a desilusão em Klagenfurt.

Lukas Podolski beim zweiten Tor gegen Polen

Lukas Podolski marca o segundo gol contra a Polônia

A Croácia derrotou a seleção alemã por 2 a 1, obrigando os alemães a vencer seu próximo jogo – contra a anfitriã Áustria – para seguir adiante no torneio. Os austríacos esperavam uma repetição do duelo da Copa 1978, em Córdoba, quando venceram os alemães por 3 a 2.

De fato, a seleção alemã penou para vencer a rival em Viena e garantir a vaga nas quartas-de-final. O gol salvador foi marcado pelo capitão Michael Ballack. "Foi um belo chute de longa distância, é claro que a gente se emociona quando acerta um chute assim. E foi um gol muito importante para nós", declarou o jogador à época.

Portugueses e turcos

Na condição de segunda colocada do grupo, a Alemanha chegou às quartas-de-final de uma Eurocopa pela primeira vez desde 1996. E a equipe treinada por Joachim Löw eliminou Portugal com uma vitória por 3 a 2. Destaque da partida foi Bastian Schweinsteiger.

"Foi sensacional, eliminamos a melhor equipe do torneio. Pressionamos o adversário o tempo todo e estamos muito felizes", disse Schweinsteiger.

Euro 2008 Viertelfinale Portugal Deutschland Schweinsteiger freies Bildformat

Bastian Schweinsteiger abre o placar contra Portugal

A semifinal foi contra a Turquia, que chegou à decisão revertendo o resultado de três partidas tidas como perdidas. Com inúmeros desfalques, os turcos eram considerados azarões, mas os alemães entraram em campo negando o favoritismo.

"Vamos jogar para ganhar. Quem é favorito – se nós ou os turcos – ou quem está desfalcado, isso não interessa", afirmou o atacante Lukas Podolski.

E os turcos confirmaram sua fama de guerreiros e conseguiram um empate pouco antes do final da partida. Mas os alemães também não se entregaram, e Philipp Lahm fez o gol da vitória na prorrogação, fechando o placar em 3 a 2.

Final com sabor amargo

A final foi contra a Espanha, em Viena. O gol da vitória saiu aos 33min do primeiro tempo, marcado por Fernando Torres. O resultado poderia ter sido mais amplo se o goleiro Jens Lehmann não tivesse feito várias defesas na sua última partida na seleção.

Fußball Euro 2008 Finale Deutschland Spanien Torres Tor

Torres acaba com a festa alemã em Viena

"O gol nos desestruturou. E temos de reconhecer que não conseguimos criar muitas chances que pudessem ameaçar seriamente os espanhóis", avaliou o zagueiro Christoph Metzelder.

Com a vitória, os espanhóis conquistaram sua segunda Eurocopa e o primeiro título de renome em 44 anos. E o técnico Luis Aragonés, de 70 anos, entrou para a história como o treinador mais velho a vencer uma Eurocopa.

"Se analisarmos o nível das seleções, a nossa equipe chegou longe, ainda que alguns jogos não tenham sido tão bons. Mas se conseguimos chegar à final com os adversários que havia, como Itália, Holanda e Espanha, então podemos ficar orgulhosos", disse Ballack.

Críticas dos jogadores

A fase pós-Euro da seleção alemã foi marcada principalmente pelas desavenças entre alguns jogadores e o técnico Joachim Löw. O primeiro problema foi criado pelo atacante Kevin Kurany, que em outubro deixou o estádio de Dortmund, onde jogavam Alemanha e Rússia. Por não ter sido relacionado para a partida. Kuranyi acabou expulso da seleção.

Fussball Kevin Kuranyi bei einer Pressekonferenz am 13.10.2008

Kuranyi se arrependeu, mas está fora da seleção

"Pedi desculpas por isso", disse mais tarde Kuranyi. "O que eu fiz foi errado e sei disso." O pedido de desculpas não bastou para que o técnico voltasse atrás na sua decisão. Perto da expulsão estiveram também Ballack e Torsten Frings, que criticaram publicamente o comportamento de Löw com alguns jogadores.

"Nenhum jogador – nem mesmo o capitão – tem o direito de criticar decisões do técnico ou de criar clima", afirmou Löw, que chamou os dois jogadores para conversas particulares.

Löw: balanço positivo

Joachim Löw und Michael Ballack

Löw e Ballack falam à imprensa após conversa

Controvérsias a parte, a seleção está encaminhando sua classificação para a Copa 2010, na África do Sul. A equipe lidera o seu grupo, à frente de Rússia e País de Gales. A lamentar apenas o jogo de despedida do ano, quando a seleção alemã foi derrotada – em Berlim – pela Inglaterra por 2 a 1.

Na avaliação de Löw, foi um ano positivo. "Vencemos todos os jogos no primeiro semestre. Somos vice-campeões europeus. Estamos bem nas Eliminatórias da Copa. Alguns jovens jogadores se afirmaram. E, em todo o ano, acumulamos 11 vitórias. Isso tudo fala a nosso favor."

Leia mais