Veterano político italiano Giulio Andreotti comemora 90 anos | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 14.01.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Veterano político italiano Giulio Andreotti comemora 90 anos

Em seu aniversário, Andreotti disse não ter medo da morte e que espera "desconto" no purgatório. Sua carreira conta com quase 40 anos de altas e baixas. Ainda assim, Andreotti é um dos mais célebres políticos italianos.

default

Andreotti ficou conhecido como símbolo de ambição e poder político

Considerado um dos políticos mais importantes da Itália, Giulio Andreotti completa 90 anos nesta quarta-feira (14/01). Na política há quase quatro décadas, ele já alcançou os pontos mais altos do sucesso e também já caiu nas mais profundas crises. Sua frase célebre, "O poder desgasta somente quem não o tem", reflete bem a imagem deste que já foi sete vezes primeiro-ministro, 33 vezes ministro e tornou-se senador vitalício em 1991.

Em entrevista na ocasião de seu 90º aniversário, Andreotti afirmou que não tem medo da morte. "Se vou mesmo para o paraíso, não sei. Mas talvez ganhe um desconto no purgatório", completou. Quando perguntado sobre o que escreveria na lápide de seu túmulo, respondeu de maneira espontânea e original: "Cuidem de seus próprios problemas".

Vida política

Na Itália, Andreotti é conhecido por seus admiradores como "La Volpe" – a raposa – ou "Divo Giulio". Devoto católico, começou sua carreira no Vaticano. Cursou Direito, especializou-se em jurisprudência canônica e, em 1942, conheceu seu mentor político, Alcide de Gasperi. Em 1972, assumiu pela primeira vez o cargo de primeiro-ministro e, desde então, já havia quem dizia: "Onde está o poder, está Andreotti".

BdT Silvio Berlusconi

Ao contrário de Berlusconi, Andreotti sempre esteva disposto a colaborar em processos

Durante sua carreira, ajudou a escrever a Constituição italiana, participou da formulação do Tratado de Roma que levou à fundação da Comunidade Econômica Europeia (CEE) e lançou a pedra fundamental para o mercado comum europeu.

Até hoje, Andreotti é conhecido por muitos pela maquiavélica falta de escrúpulos e também como um símbolo de ambição. Embora seja claramente pró-Europa, o político foi contra a unificação alemã, afirmando: "É bom que os dois Estados alemães se entendam, pois assim haverá paz. Mas ninguém deve exagerar. Há dois Estados germânicos e é assim que devem ficar".

Ligações com a máfia?

No início da década de 90, o democrata-cristão enfrentou sérios problemas políticos, por ter sido acusado de manter contatos com a máfia italiana. Logo após a queda da "república dos subornos" na Itália, Andreotti teve de se apresentar aos tribunais em duas ocasiões. A primeira por causa do assassinato do jornalista Mino Pecorelli, que havia investigado a "Cosa Nostra" na Sicília, e a outra porque estava sob suspeita de envolvimento com a máfia de Palermo.

A investigação sobre suas ligações com a máfia durou 11 anos. Na época, "Divo Giulio" abriu mão de sua imunidade para que pudesse ser investigado. Esta atitude trouxe a ele também o respeito de adversários políticos, pois, ao contrário de outros, como o atual primeiro-ministro italiano, Sílvio Berlusconi, Andreotti sempre se colocou à disposição para responder a processos.

Há cinco anos, o veterano político foi inocentado das acusações. "Fico feliz que esteja vivo até o dia desta decisão. Muitos esperavam que pudesse me despedir antes, mas não fiz este favor a eles", disse ironicamente.

Leia mais