Venezuela adia eleições presidenciais | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 01.03.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Venezuela adia eleições presidenciais

Conselho Nacional Eleitoral anuncia que votação de 22 de abril será agora realizada na segunda metade de maio, após acordo entre governo e partidos da oposição. Principal coalizão opositora boicotou o pleito.

Maduro participou de um comício em Caracas nesta quarta-feira, após oficializar sua candidatura no CNE

Maduro participou de um comício em Caracas nesta quarta-feira, após oficializar sua candidatura no CNE

As eleições presidenciais na Venezuela, previstas para 22 de abril, foram adiadas para a segunda metade de maio após um acordo entre o governo e partidos da oposição, comunicou nesta quinta-feira (01/03) o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) venezuelano.

"Foi proposto que se realize de maneira simultânea as eleições para presidente da República, as legislativas estaduais e as dos governos municipais na segunda quinzena do mês de maio de 2018", afirmou o CNE, sem informar ainda uma data específica.

Leia tambémA fome se propaga na Venezuela

O adiamento foi também anunciado pelo ministro de Comunicação da Venezuela, Jorge Rodríguez. "Não há outra alternativa, a única opção é o voto", disse ele em coletiva de imprensa.

As eleições presidenciais venezuelanas, normalmente realizadas no fim do ano, já haviam sido antecipadas para abril, o que levou críticos a acusarem o governo de querer sabotar a oposição e beneficiar a candidatura à reeleição do presidente Nicolás Maduro.

Assistir ao vídeo 01:34

Com dancinha em comício, Maduro anuncia candidatura

Na semana passada, a aliança opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) afirmou que não participará das eleições se não houver garantias do governo para a realização de um pleito livre e democrático.

A oposição conta, até agora, com um candidato: Henri Falcón, ex-governador estadual e um militar aposentado de 56 anos. Ele acredita que pode vencer as eleições aproveitando-se da grande insatisfação da população com os chavistas, dada a grave crise econômica que assola o país.

Segundo o Conselho Nacional Eleitoral, o adiamento das eleições para maio, definido num acordo assinado por vários partidos nesta quinta-feira, foi aprovado por Maduro e por Falcón.

A presidente do CNE, Tibisay Lucena, afirmou que um acordo entre governo e oposição na Venezuela demonstra que "os líderes e representantes são eleitos com as maiores garantias constitucionais e democráticas".

A MUD, que é a principal coalizão opositora do país, vem há tempos acusando o CNE de ser uma ferramenta governamental. A aliança clamou para que Falcón retire sua candidatura, acusando-o de legitimar um pleito que não tem garantias de que será livre e justo.

A convocação de eleições presidencias antecipadas no país é alvo de críticas inclusive por parte da comunidade internacional. Os Estados Unidos ameaçaram impor novas sanções ao governo Maduro, e a União Europeia (UE) clamou para que o regime venezuelano garanta a realização de uma votação justa, afirmando que o bloco está pronto para reagir caso isso não ocorra.

Em fevereiro, o chamado Grupo de Lima, composto por 14 países das Américas, desconvidou a Venezuela da próxima Cúpula das Américas, a ser realizada em abril no Peru. Na ocasião, o bloco também manifestou seu rechaço à antecipação do pleito.

EK/afp/ap/dpa/efe

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados