Vacinas contra covid serão liberadas para todos os alemães em junho | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 17.05.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

Vacinas contra covid serão liberadas para todos os alemães em junho

Ministro da Saúde confirma que país deve abolir lista de grupos prioritários a partir do mês que vem. Mas ele adverte que isso não significa que haverá imediatamente vacinas para todos.

Deutschland Coronavirus l Impfstart bei der Polizei in Rheinland-Pfalz

Policial é vacinado na Renânia-Palatinado. Em breve, doses não serão mais aplicadas com base em grupos prioritários

O ministro da Saúde da Alemanha, Jens Spahn, disse nesta segunda-feira (17/05) que o país deverá começar a oferecer vacinas contra covid-19 para todos os adultos a partir de 7 junho, abolindo as listas de grupos prioritários.

"Concordamos em suspender o sistema de prioridade em 7 de junho (...) nos consultórios médicos, entre os médicos de empresas e nos centros de vacinação", disse Spahn após conversas com os 16 secretários regionais de Saúde da Alemanha.

No momento, a Alemanha vem aplicando doses por meio de três mecanismos: centros de vacinação, consultórios de médicos da família e médicos que prestam assistência a grandes empresas. No entanto, as doses só estão sendo fornecidas para indivíduos que se encaixam em grupos prioritários, como idosos, pessoas com comorbidades e trabalhadores de áreas consideradas sensíveis, como Saúde e segurança pública.

Se o anúncio de Spahn se confirmar, qualquer alemão estará elegível para tomar vacina a partir de junho, não necessitando mais provar comorbidades ou pertencimento a uma determinada faixa etária, por exemplo. Médicos da família e centros de vacinação também não precisarão mais aplicar as listas de prioridades.

No final de abril, a chanceler federal Angela Merkel já havia afirmado que a Alemanha pretendia eliminar em junho a fila de grupos prioritários na vacinação contra a covid-19. No entanto, Merkel advertiu que isso não significava necessariamente que todos os alemães seriam vacinados ainda em junho, e que o ritmo ainda depende da chegada e disponibilidade de vacinas.

Spahn reforçou essa advertência nesta segunda-feira, afirmando: "Não será possível vacinar todos que quiserem ser vacinados em junho."

Ritmo da vacinação acelera

Nas últimas semanas, após um início lento, o ritmo de vacinação ganhou força na Alemanha, com o país conseguindo superar em alguns dias a marca de de 1 milhão de doses aplicadas em 24 horas. Ao todo, mais de 40 milhões de doses foram aplicadas. Até agora, 37% dos alemães já receberam pelo menos uma dose da vacina, e 11,2% receberam as duas doses. O país administra quatro imunizantes, o da Pfizer-BioNTech, o da AstraZeneca-Oxford e as vacinas da Moderna e Johnson & Johnson.

A Alemanha já havia abolido a lista de prioridades para a aplicação da vacina AstraZeneca-Oxford. Desde a semana passada, qualquer alemão pode solicitar uma dose com horário marcado. Ainda na semana passada, os estados da Baviera e de Baden-Württemberg já haviam se antecipado ao anúncio do governo alemão e determinado o fim do sistema prioritário para a aplicação de vacinas em seus habitantes - para todas as vacinas disponíveis, e não apenas para a da AstraZeneca. 

Nesta segunda-feira, a Alemanha registrou 64 mortes por covid-19 e 5.412 novos casos. O avanço da pandemia tem diminuído no país após o avanço da vacinação e meses de medidas de restrição à circulação. Na semana passada, pela primeira vez desde 20 de março, a taxa de incidência de covid-19 a cada 100 mil habitantes em sete dias ficou abaixo de 100 no país, trazendo esperanças de um futuro relaxamento das medidas restritivas impostas no país europeu para conter a transmissão do coronavírus.

Nesta segunda-feira, a taxa de incidência em todo o país estava em 83,1 casos por 100 mil habitantes nos últimos sete dias. Desde o início da pandemia, a Alemanha registrou um total de 69 mil mortes e quase 3,6 milhões de casos da doença, segundo dados do Instituto Robert Koch (RKI), agência do governo alemão de controle e prevenção de doenças.

jps/lf (afp, ots, dw)

Leia mais