Vacina de Oxford é segura e induz produção de anticorpos, indica estudo | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida | DW | 20.07.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Vacina de Oxford é segura e induz produção de anticorpos, indica estudo

Resultados preliminares são promissores, afirmam pesquisadores. Efeitos colaterais foram brandos, e vacina provocou resposta imune com anticorpos e células T. Terceira fase de testes inclui aplicação em brasileiros.

Laboratório

Em teste no Brasil, vacina de Oxford contra a covid-19 é a mais adiantada do mundo

A vacina contra a covid-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, e pela empresa farmacêutica AstraZeneca é segura e induziu uma resposta imune, segundo resultados preliminares divulgados nesta segunda-feira (20/07).

No mesmo dia, pesquisadores chineses que desenvolvem uma vacina paralela também anunciaram resultados promissores.

De acordo com pesquisadores de Oxford, testes em 1.077 pessoas com idades entre 18 e 55 anos mostraram que a vacina foi capaz de estimular a produção de anticorpos e células T (células do sistema imunológico que destroem outras células contaminadas por vírus ou bactérias).

Os resultados abordam as duas primeiras fases de testes. A terceira fase de estudos clínicos, mais ampla e que inclui testes em 50 mil pessoas, ainda está em andamento.

Essa terceira etapa, a última antes do registro, deve determinar se a vacina é realmente eficaz. Ela inclui testes em 5 mil voluntários brasileiros e está sendo feita em parceria com a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

"Ainda há muito trabalho a ser feito antes que possamos confirmar se nossa vacina ajudar a combater a pandemia de covid-19, mas esses resultados iniciais são promissores", disse Sarah Gilbert, uma das desenvolvedoras da vacina.

"Ainda não sabemos quão forte é a resposta imune que precisamos provocar para uma proteção eficaz contra a infecção por Sars-CoV-2 ", completou.

De acordo com os resultados preliminares, publicados na revista científica The Lancet, o efeito autoimune da vacina, chamada AZD1222, deve ser reforçado de maneira mais efetiva com uma segunda dose da vacina, segundo observações em subgrupo de dez participantes.

O estímulo à produção de células T nos voluntários foi observado 14 dias após a aplicação da primeira dose. Já os anticorpos (que neutralizam o vírus) foram observados 28 dias após a aplicação.

Os efeitos colaterais observados foram brandos, consistindo na maior parte em fadiga e dor de cabeça. A análise aponta que os sintomas foram, em grande parte, suavizados com o uso de paracetamol.

Vacina chinesa

Ainda nesta segunda-feira, pesquisadores chineses anunciaram que a fase 2 da vacina Ad5-nCOV, desenvolvida pela empresa CanSino Biologics, também mostrou resultados promissores semelhantes ao da vacina de Oxford. Segundo os chineses, ela é segura e também induz resposta imune. 

Os autores, no entanto, ressaltam que nenhum dos 500 participantes foi exposto ao vírus Sars-CoV-2 após a vacinação. Então ainda não é possível determinar se ela oferece mesmo proteção contra o coronavírus. 

Outra vacina contra a covid-19, desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac, também está sendo testada no Brasil, em parceria com o Instituto Butantan, vinculado ao governo do estado de São Paulo.  Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), no total, existem no mundo 160 iniciativas para desenvolver uma vacina contra a doença causada pelo novo coronavírus. 

JPS/rtr/dpa

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais