Usinas nucleares europeias passarão por teste de resistência | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 26.05.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Usinas nucleares europeias passarão por teste de resistência

Avaliação vai analisar segurança dos reatores em caso de terremoto, enchentes, incêndio e corte de energia. Ameaça terrorista fica de fora do teste. Na Suíça, abandono da energia nuclear entra em discussão parlamentar.

default

Usina nuclear na Suiça: o fim pode estar próximo

Os 143 reatores nucleares europeus passarão por teste de resistência a partir de 1° de junho. A exemplo da avaliação realizada pela Alemanha, a segurança das centrais nucleares será analisada em caso de terremoto ou enchentes, conforme anunciado pela Comissão Europeia na quarta-feira (25/05). O teste também vai verificar a resistência a eventos como incêndios florestais, acidentes de transporte e corte de fornecimento de energia elétrica.
Depois de dois meses de debates, a Comissão se disse satisfeita: "Chegamos a critérios de testes muitos abrangentes", avaliou Günter Oettinger, comissário europeu de Energia. Ele acresceu que a avaliação não se limitará às instalações. "Em nível europeu, nós iremos inspecionar também os inspetores. Erro humano exerceu um papel no acidente de Fukushima, então achamos que o erro humano e a ação humana têm que fazer parte do teste de resistência."
A chanceler federal alemã, Angela Merkel, recebeu bem a iniciativa. "Nem todas as nossas expectativas foram atendidas. Mas levando em consideração que a Europa, até agora, não tinha experiência nesse assunto e já entrou em concordância, isso é, sem dúvida, uma grande avanço."
Ameaça terrorista
Áustria e Alemanha queriam que o teste avaliasse também a resistência das usinas contra ataques terroristas. No entanto, outros países-membros da União Europeia (UE), como França e Reino Unido, se opuseram. Eles argumentam que avaliações desse tipo devem ficar em mãos do próprio governo, já que se trata de segurança nacional.
Segundo especialistas, o terrorismo seria a ameaça mais séria aos reatores nucleares europeus. Apesar dos esforços do comissário Oettinger em acrescentar esse quesito ao teste, o comissário disse respeitar a posição dos que se opuseram.
Oettinger reconheceu, no entanto, que a Comissão não terá poder para determinar o fechamento de alguma usina nuclear caso problemas sejam identificados. Criticado por parlamentares europeus, que argumentam que a indústria nuclear não será submetida a um teste de resistência verdadeiro, o comissário disse acreditar que a avaliação segue por um bom caminho.
Sem energia nuclear
Também nesta quarta-feira, o governo da Suíça deu mostras de que pretende abandonar a geração nuclear de energia. O governo helvético recomendou ao Parlamento em Berna que inicie os debates com vista ao desligamento das centrais nucleares em 2034.
"O conselho federal quer continuar garantindo a segurança de abastecimento de energia na Suíça, mas sem geração nuclear em médio prazo. As atuais usinas nucleares serão fechadas no fim do prazo de vida útil das unidades e não serão substituídas", diz a nota do governo suíço.
O Parlamento em Berna deve iniciar a discussão em torno do assunto em 8 de junho, e uma decisão é aguardada para o fim do mês.
NP/rts/dpa/afp
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais