Universidade alemã promove integração internacional há 20 anos | Tudo o que você precisa saber para estudar na Alemanha | DW | 17.07.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Estudar na Alemanha

Universidade alemã promove integração internacional há 20 anos

Reaberta após a reunificação alemã, a Universidade Europeia Viadrina tinha como objetivo estabelecer uma ponte com o leste europeu. Em Frankfurt do Oder, a instituição reúne hoje estudantes de todo o mundo.

O prédio principal da Viadrina

O prédio principal da Viadrina

Quando foi reaberta em 1991, pouco depois da reunificação alemã, a Universidade Europeia Viadrina teve seu principal objetivo determinado pela localização geográfica. A instituição fica em Frankfurt do Oder, na fronteira com a Polônia. A intenção era que a universidade normalizasse as relações entre os dois países vizinhos, tensas há séculos.

Com a Viadrina, a pesquisa no leste europeu deveria ser levada a um novo patamar e a integração europeia deveria ser estimulada. "Essa é uma pretensão muito grande para a menor universidade do país", reconhece sua vice-presidente, Janine Nuyken. "É impossível conseguir tudo isso, mas contribuímos muito para a convergência teuto-polonesa."

Ponte para vizinhos

VIADRINA 20

Ponte da Amizade sobre o rio Oder, no leste da Alemanha

Baseada em três pilares – as faculdades de Direito, Estudos Culturais e Economia –, a Viadrina conquistou uma boa reputação internacional. Intercâmbios e projetos conjuntos com mais de 200 universidades estrangeiras demonstram a visibilidade atingida pela instituição alemã de ensino. Nenhuma outra universidade do país é tão internacional. Dos mais de 5 mil alunos, cerca de um terço são estrangeiros, de mais de 80 nacionalidades.

Enquanto a diretoria da Viadrina tenta encontrar um equilíbrio entre pesquisa e ensino, a indústria da região reconhece a importância da instituição. O investidor Christopher Nüsslein cita um exemplo bem prático. Em conversas com investidores estrangeiros, é fundamental que haja tantos falantes nativos na universidade. "Eles discursam sobre o lugar no próprio idioma dos convidados e isso sempre tem um efeito positivo e profissional sobre os investidores."

Cooperação econômica

VIADRINA 20

Indústria e universidade devem estreitar relações

A cooperação entre indústria e universidade também suscita críticas. O prefeito da cidade, Martin Wilke, diz que diversas empresas de tecnologia se instalaram em Frankfurt do Oder, mas, infelizmente, a pesquisa relacionada à tecnologia nunca foi prevista para a Viadrina.

"Agora é preciso ver como colocar tudo nos eixos", diz Wilke. "O desenvolvimento econômico da região, especialmente no campo das novas tecnologias, deveria ser acompanhado de pesquisa e formação adequadas."

Enquanto isso, a propaganda da Viadrina será mantida, para atrair sobretudo estudantes poloneses. O sucesso da mensagem não é mais tão garantido como antes, pois hoje os jovens da Polônia podem escolher uma universidade em qualquer canto da Europa.

VIADRINA 20

A Viadrina reúne estudantes de mais de 80 nacionalidades

Concorrência acirrada

"A Viadrina não é mais um ponto de partida natural para alemães interessados na Polônia e poloneses interessados na Alemanha", explica o professor Werner Benecke. "Hoje ela concorre com grandes universidades na Europa e precisa pensar em alguma saída para se reposicionar no novo mercado."

Assim, os próximos 20 anos também prometem ser agitados para a Viadrina – uma instituição que, na verdade, tem mais de 500 anos de idade. O príncipe alemão Joachim 1° fundou a chamada Alma Mater Viadrina, na cidade de Frankfurt banhada pelo rio Oder, em 1506, onde funcionou até 1811. Entre os estudantes mais famosos daquela época estavam os irmãos Humboldt, o compositor Carl Philipp Emanuel Bach e o poeta Heinrich von Kleist.

Autor: Hardy Graupner (lf)
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais