União Europeia eleva nível de risco devido a coronavírus | Notícias internacionais e análises | DW | 02.03.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

União Europeia eleva nível de risco devido a coronavírus

Agência de controle de doenças descreve risco de infecção para europeus como "moderado a alto". Anúncio é feito após número de casos na Itália dobrar em 48 horas. Berlim e Portugal registram primeiras infecções.

Turistas de máscara em Milão

Turistas de máscara em Milão: Itália é o país europeu mais afetado pelo coronavírus

A agência de controle de doenças da União Europeia (UE) afirmou nesta segunda-feira (02/03) que aumentou seu nível de risco para o novo coronavírus. O Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças (ECDC, na sigla em inglês) emitiu uma declaração descrevendo o novo risco de infecção para europeus como "moderado a alto", depois que o número de afetados pelo surto na Itália dobrou nas últimas 48 horas. 

"Em outras palavras, o vírus continua a se espalhar", comentou a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, citando a nova classificação do ECDC.

O ECDC está fornecendo atualizações diárias sobre a evolução do surto. Até esta segunda-feira, foram contabilizados 90 mil casos em mais de 60 países, e mais de 3 mil mortes.

"Há um número crescente de países com transmissão comunitária generalizada no mundo e na Europa, e estes exportando casos com transmissão subsequente para áreas anteriormente não afetadas. Até agora, as medidas de controle só têm sido capazes de abrandar, mas não de impedir uma maior propagação", disse o ECDC. "Áreas anteriormente não afetadas estão relatando casos sem histórico de viagens a países ou áreas onde há transmissão comunitária conhecida."

O vírus levantou temores em relação à economia mundial, com a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) baixando sua previsão de crescimento global em meio ponto percentual, para 2,4%, o pior desempenho desde a crise financeira de 2008.

A economia da China praticamente parou, com grandes áreas do país em quarentena e medidas para restringir viagens. As compras nos cassinos de Macau caíram 88% em fevereiro.

Outros países começaram a adotar suas próprias medidas draconianas de contenção, incluindo a proibição de chegadas de países atingidos por vírus, o fechamento de cidades, o incentivo aos cidadãos para ficar em casa e a suspensão de grandes eventos, como partidas de futebol e feiras de negócios.

Embora a Europa não tenha sido atingida de forma tão dura quanto a China, vários países do continente apresentam surtos, e a UE está se esforçando para coordenar a resposta à propagação da doença. A Itália é o país mais afetado, com cerca de 1,7 mil infecções registradas.

"Até esta manhã, temos 2.100 casos confirmados em 18 Estados-membros da UE, e 38 cidadãos que perderam a vida", disse Stella Kyriakides, comissária de saúde da UE nesta segunda-feira. "Diferentes Estados-membros enfrentam desafios diferentes em relação ao surto de Covid-19. A Itália está enfrentando uma situação que não é a mesma que outros Estados-membros", ressaltou.

Na França, o Louvre, o museu mais visitado do mundo, continuou fechado pelo segundo dia seguido nesta segunda-feira, depois de os funcionários da instituição se recusarem a trabalhar por causa do temor do vírus.

Primeiros casos em Berlim e Portugal

Na Alemanha, foram detectados contágios em dez dos 16 estados do país, onde a mídia já noticia casos de corrida a supermercados por temores da doença. Até a manhã desta segunda-feira, foram registrados no país 150 casos de contágio pelo vírus Sars-CoV-2, o patógeno da enfermidade Covid-19.

Pela primeira vez, uma infecção foi registrada em Berlim: um jovem com o coronavírus está sob tratamento na clínica universitária Charité. As autoridades sanitárias da capital alemã informaram nesta segunda que dez pessoas de contato do paciente foram identificadas e já foram colocadas em isolamento.

O estado alemão mais gravemente afetado é a Renânia do Norte-Vestfália, no oeste do país, com mais de 80 casos comprovados.

O governo de Portugal confirmou nesta segunda-feira o primeiro caso de infectado por coronavírus no país: um médico de 60 anos que estava de férias no norte da Itália.

Outro homem, de 33 anos que esteve há alguns dias em Valência, na Espanha, deu positivo no primeiro exame e aguardava a contraprova para confirmar o diagnóstico.

Os dois homens, ambos de nacionalidade portuguesa, estão internados em dois hospitais do Porto, no norte do país, e o estado de saúde deles é estável, segundo a ministra da Saúde do país, Marta Temido.

Vírus mata alto funcionário no Irã

A China registrou mais 42 mortes nesta segunda-feira – todas na província central de Hubei. O número de mortos no país subiu para 2.912, mas também está aumentando no exterior.

O número de infecções está agora aumentando mais rapidamente no exterior do que na China, pois as medidas drásticas do país, incluindo a quarentena de 56 milhões de pessoas em Hubei desde o final de janeiro, parecem estar surtindo efeito.

O Irã registrou mais 12 mortes na segunda-feira, elevando para 66 o número de mortos no país, que tem a maior cifra de óbitos depois da China. Entre as vítimas fatais está Mohammad Mirmohammadi, membro do conselho que assessora o líder supremo iraniano, o aiatolá Ali Khamenei. Mirmohammadi, de 71 anos, morreu nesta segunda-feira depois de adoecer do novo coronavírus, de acordo com a rádio estatal iraniana.

A Coreia do Sul, o maior foco de infecções fora da China, registrou quase 500 novos casos na segunda-feira, fazendo com que seu total de contágios passe dos 4 mil.

Metade dos casos da Coreia do Sul está ligada a uma seita cujo líder pediu desculpas na segunda-feira pela disseminação da doença. O governo da cidade de Seul pediu a promotores que apresentem acusações formais de assassinato contra ele por não cooperar com os esforços para conter o vírus.

Nos Estados Unidos, uma segunda pessoa morreu após contrair o coronavírus, no estado americano de Washington, enquanto o presidente Donald Trump, que minimizou o risco de um grande surto, enfrenta críticas sobre a preparação de seu governo.

MD/ap/afp/efe/dpa

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais