União Europeia aprova ratificação de Acordo de Paris sobre clima | Meio Ambiente | DW | 30.09.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Meio Ambiente

União Europeia aprova ratificação de Acordo de Paris sobre clima

Ministros de Meio Ambiente decidem não esperar por ratificações nacionais e avançam com medida no bloco. Para entrar em vigor, acordo de combate ao aquecimento global precisa agora ser aprovado no Parlamento Europeu.

Ministros comemoram aprovação de acordo

Ministros comemoram aprovação de acordo

Os ministros de Meio Ambiente dos países-membros da União Europeia (UE) aprovaram nesta sexta-feira (30/09), em Bruxelas, a ratificação do Acordo de Paris, que determina as diretrizes universais para o combate ao aquecimento global.

A decisão foi aprovada por unanimidade, num raro avanço político na União Europeia, que passa por período de instabilidade com a crise migratória e a saída do Reino Unido. "Todos os países-membros deram sinal verde para a ratificação do Acordo de Paris. O que alguns acharam impossível agora é realidade", comemorou o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk.

Os ministros aprovaram, na prática, a aceleração do processo de ratificação ao nível da UE, sem esperar pela implementação do acordo em cada Estado-membro. Apenas sete países da União Europeia já concluíram esse procedimento, entre os quais a Alemanha e a França. A decisão acordada depende agora da aprovação do Parlamento Europeu, cuja votação deve acontecer na próxima semana.

O comissário europeu de Ação Climática e Energia, Miguel Arias Canete, classificou a decisão como histórica, e a aprovação seria uma resposta as críticas de que a UE perdera a liderança nas políticas de combate às mudanças climáticas. "Em tempos difíceis, nós conseguimos agir juntos", ressaltou.

Críticos afirmavam que os Estados Unidos e a China – os dois maiores poluidores do mundo – tinham deixado a União Europeia para trás na ratificação do acordo climático. A demora do bloco chegou inclusive a ser criticada pelo presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.

Estabelecido em dezembro do ano passado, o Acordo de Paris estabelece metas para a redução de emissões de gases do efeito estufa e a diminuição de uso de combustíveis fósseis. As medidas visam limitar o aquecimento global ao máximo de 2ºC acima dos níveis pré-industriais.

CN/rtr/ap/afp/lusa 

Leia mais