Um vírus altera o panorama político da América Latina | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 03.04.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Um vírus altera o panorama político da América Latina

Líderes com estratégias definidas contra a covid-19 ganham popularidade, populistas que negam a pandemia perdem apoio da população. Mas o maior desafio ainda está por vir: os danos sociais decorrentes da crise econômica.

Sebastian Piñera

Até Piñera (d) viu sua popularidade aumentar no Chile depois de medidas restritivas

A América Latina foi uma das últimas regiões do mundo aonde o novo coronavírus chegou, cerca de um mês atrás, e ele já deixa suas marcas nos sistemas políticos. É surpreendente quão rápido aumenta a popularidade de presidentes que investem com estratégias bem definidas contra a doença, como se vê no Peru, Chile e Argentina.

No Peru, o presidente Martín Vizcarra fechou o país em meados de março, logo em seguida aos primeiros contágios, decretando confinamento radical. Desde então, sua popularidade saltou de 52% para 87%.

No Chile, o malquisto Sebastián Piñera introduziu um isolamento social gradual, que agora restringe fortemente a vida pública, e ao mesmo tempo ordenou medidas de ajuda estatal. Até então consideravelmente enfraquecido pelas manifestações contra seu governo e a favor de uma nova Constituição, o líder conservador conseguiu dobrar sua taxa de popularidade, alcançando atualmente 21%.

Na Argentina, Alberto Fernández reforça seu perfil de empreendedor social com uma política clara de quarentena, conquistando o apoio de mais de 80% da população. Ao vencer a eleição presidencial, cinco meses atrás, ele contou com 50% dos votos.

Em contrapartida, os chefes de Estado que negam a crise, a minimizam ou reagem com hesitação perdem rapidamente o respaldo da população. Independentemente do direcionamento político, isso vale para os populistas Jair Bolsonaro, no Brasil, e Andrés Manuel López Obrador, no México.

O populista de direita em Brasília continua urgindo os brasileiros a irem trabalhar, contrariando o conselho de seus ministros e de especialistas. Ele afirma que o vírus não é muito pior do que uma gripe e aparece sem proteção entre seus fãs.

Enquanto isso, praticamente todos os governadores estaduais restringiram a vida pública. Todas as noites ocorrem "panelaços" ensurdecedores contra Bolsonaro, também em áreas onde a maioria votou no ex-militar. Sua popularidade caiu para 30%, o nível mais baixo desde a posse, no início de 2019.

No México, até alguns dias atrás o populista de esquerda López Obrador aconselhava os cidadãos a irem aos restaurantes e se abraçarem o máximo possível. De lá para cá, contudo, ele parece ter reconhecido a seriedade da situção: no úlitmo dia de março, impôs abruptamente o estado de emergência nacional. Sua popularidade desceu de 78%, no início de 2019, para 59%.

Porém, o maior desafio para os governos latino-americanos ainda está no começo, pois o coronavírus atinge uma região economicamente debilitada, cuja renda per capita vem caindo desde 2014. Ao contrário do ocorrido na crise financeira de 2009, os países latinos acumularam dívidas elevadas, suas moedas estão fracas, e as exportações retrocedem devido à estagnação da conjuntura mundial.

Os efeitos da crise do coronavírus agravarão marcadamente a crise econômica mundial: a Comissão Econômica das Nações Unidas calcula que cerca de um terço dos 650 milhões de latino-americanos ficarão abaixo da linha da pobreza, e o número de pobres aumentará de 68 milhões para 90 milhões.

Como cerca de 40% dos habitantes da região trabalha no setor informal, fica difícil para os governos chegarem até eles com programas de assistência. A maioria dos Estados não terá alternativa senão imprimir mais dinheiro para financiar programas de distribuição de renda.

Com suas decididas medidas de quarentena, os governos da América Latina podem impedir um alastramento do vírus e as mortes decorrentes. A universidade de ciência, tecnologia e medicina Imperial College London calcula que um isolamento social consequente poderá salvar 2,5 milhões de vidas na região.

O problema, contudo, comenta o semanário The Economist, é que os governos terão que encontrar um meio de manter a sua popularidade recém-conquistada também quando as dificuldades econômicas e sociais aumentarem.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais