Um ano após referendo, Erdogan busca consolidar poder | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 16.04.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Turquia

Um ano após referendo, Erdogan busca consolidar poder

Após vencer controversa consulta popular sobre emendas à Constituição, presidente turco investe tudo para obter ampla vitória nas eleições de 2019. De oposição, poucos sinais.

De alianças a decretos discutíveis, Erdogan não poupa esforços para se manter na presidência

De alianças a decretos discutíveis, Erdogan não poupa esforços para se manter na presidência

Recep Tayyip Erdogan detém o poder na Turquia desde 2002. Há exatamente um ano, porém, em 16 de abril de 2017, ele obteve uma vitória que fortaleceu sua posição: num controverso referendo constitucional, 52,1% dos eleitores concordaram que, a partir de 2019, o país passe do sistema parlamentarista para o presidencialista.

Isso significa que todas as prerrogativas do Executivo serão transferidas do primeiro-ministro para o presidente, e o Parlamento terá sua função debilitada. O principal apoiador de Erdogan nessa manobra foi o partido ultranacionalista MHP, com 36 deputados no Parlamento. Seu líder, Devlet Bahceli, foi quem abriu as portas para a consulta e conclamou seu eleitorado a votar pelas mudanças.

AKP: vitória a qualquer preço

O jornalista Kemal Can escreve para o jornal Cumhuriyet, como especialista no espectro político de direita da Turquia. Sua avaliação é: a vitória na consulta popular não foi tão ampla quanto Erdogan esperava. Por isso, toda sua energia, a política interna e externa, a economia e a postura dele em relação à oposição estão dirigidas para as eleições presidenciais e parlamentares de 2019.

Para o presidente, é importante concentrar mais de 50% dos votos, e para tal ele necessita de todo o apoio possível. Por isso há algum tempo o principal tema de conversas entre seu partido conservador, o AKP, e o MHP é a assim chamada "Aliança Popular", em que ambas as legendas pretendem unir suas forças para o pleito.

Em seguida ao referendo, os dois partidos se concentraram em eliminar todos os artigos que representassem obstáculo a uma cooperação. Em março foi aprovada uma lei que permite ao AKP e o MHP formarem uma aliança.

No entanto a representação parlamentar da legenda ultranacionalista estava em risco: a deputada Meral Aksener a abandonou, fundando, ao lado de outros ex-membros, o novo Bom Partido (İYİ Parti). O MHP corria o risco de cair abaixo do limite parlamentar mínimo de 10%. O alívio veio com a aprovação do artigo sobre a aliança eleitoral, estipulando: "Se um dos partidos da aliança estiver acima do teto de 10%, isso vale para o outro partido."

Protestos de parte da população turca contra referendo constitucional foram em vão

Protestos de parte da população turca contra referendo constitucional foram em vão

Judiciário sitiado

Três dos 18 artigos votados no referendo de 16 de abril entraram imediatamente em vigor. Foi fundado num prazo de 30 dias o Conselho de Juízes e Promotores Públicos (HSK), responsável tanto pela posse e destituição de promotores e juízes quanto por decisões disciplinares.

O especialista em Direito Kerem Altiparmak, da Faculdade Política da Universidade de Ancara, diagnostica uma "crise jurídica na Turquia". Decerto havia problemas com a independência da Justiça já antes do referendo, mas, com a criação do HSK, tornou-se impossível romper o cerco em torno do Judiciário, afirma o jurista.

Dos 13 integrantes do Conselho – que incluem o ministro da Justiça e seu secretário de Estado – quatro são indicados pelo presidente, e os demais são escolhidos pelo Parlamento. Para Altiparmak, a "Aliança Popular" entre o AKP e o MHP se reflete no HSK: "Hoje, um juiz não pode mais dizer 'vou tomar uma decisão justa', pois está subordinado ao HSK, cujos 13 membros foram escolhidos por um líder partidário e por membros de seu grupo político."

Ainda esperanças para a oposição?

Enquanto transcorrem os preparativos do AKP e MHP para as eleições, surge a questão: o que faz a oposição? Um ano após o referendo, o "bloco do não" ainda não conseguiu formular uma meta política clara nem se organizar. Ouve-se com frequência que, nos bastidores, os partidos oposicionistas se reúnem para conversas, mas até o momento não há qualquer sinal de uma cooperação concreta.

"Do ponto de vista da oposição, a consulta popular de 16 de abril foi apenas o começo, é de se esperar que, em 2019, ela vá dar o troco", afirma o jornalista Kemal Can: a oposição pode ainda não ter desencadeado um entusiasmo comparável ao do referendo, mas tem potencial para isso.

A divisão 50/50 dos votos existe ainda hoje, avalia Can. Se a oposição ainda não tomou a iniciativa, é porque os detentores do poder determinam as áreas a serem discutidas e a forma como se debate sobre determinados temas.

Política da Turquia após as eleições

Em novembro de 2019 realizam-se no mesmo dia as eleições presidenciais e legislativas. Diversos parágrafos da emenda constitucional só entrarão em vigor após os escrutínios. O presidente governará a Turquia pelos cinco anos seguintes, com as prerrogativas de que foi investido, inclusive a primazia sobre o Executivo.

O chefe de Estado escolhe seu gabinete e dois vices, de fora do Parlamento. Com algumas restrições, ele tem autoridade para expedir decretos. O número de deputados no Parlamento será incrementado de 550 para 600, e o limite de idade para ser candidato cairá para 18 anos.

___________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App 

Leia mais