UE pede contenção após ativista levar tiro em Hong Kong | Notícias internacionais e análises | DW | 01.10.2019

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

UE pede contenção após ativista levar tiro em Hong Kong

Polícia fere militante a bala pela primeira vez desde início dos protestos pró-democracia. Reino Unido diz ser "desproporcional" o uso de munição real. Rapaz é internado em estado grave após ser atingido no peito.

Manifestantes se protegem com guarda-chuvas em meio a fogo e fumaça durante confronto com a polícia

Ao menos 15 ficaram feridos em confrontos entre manifestantes e policiais em Hong Kong

A União Europeia pediu nesta terça-feira (01/09) "contenção" em Hong Kong, depois que um policial atirou num manifestante durante confrontos em manifestações pró-democracia no território semiautônomo chinês.

"À luz dos contínuos distúrbios e violência em Hong Kong, a União Europeia continua enfatizando que diálogo, tranquilidade e contenção são o único caminho a seguir", disse a porta-voz da UE Maja Kocijancic.

O governo do Reino Unido denunciou como "desproporcional" o uso de munição real pela polícia de Hong Kong contra os manifestantes pró-democracia, advertindo que o ocorrido pode agravar as tensões que abalam a ex-colônia britânica.

O ferido está internado em estado grave, após ser baleado no peito por um policial. Segundo um amigo do jovem, o paciente seria estudante do quinto grau, que, no sistema educacional de Hong Kong, é acessado por alunos a partir dos 16 anos de idade.

Uma fonte da polícia confirmou à mídia local que os policiais dispararam várias vezes para o alto no distrito de Tsuen Wan, e que um dos tiros atingiu uma pessoa. Imagens do incidente mostram manifestantes em confronto com a polícia, alguns usando guarda-chuvas e bastões de metal como armas.

Segundo outra fonte policial, o agente disparou contra o jovem quando sua unidade foi atacada por cerca de 12 manifestantes, durante confrontos prolongados. É a primeira vez que alguém foi atingido com munição real, em quase quatro meses de protestos no centro econômico e financeiro na Ásia.

Pelo menos 15 ficaram feridos em confrontos entre manifestantes e policiais, informou o órgão que administra os hospitais públicos da região administrativa especial. Além disso, ocorreram no mínimo 30 detenções.

"Embora tenham sido tomadas medidas positivas iniciais para envolver os membros do público e vários setores da sociedade no diálogo, são necessários mais esforços para restaurar a confiança", aconselhou a porta-voz Kocijancic. "Mais de três meses desde o início dos protestos, os direitos de reunião e de protestar pacificamente devem continuar sendo respeitados, de acordo com a lei fundamental de Hong Kong e os compromissos internacionais."

A violência em Hong Kong ofuscou as celebrações na China marcando o aniversário de 70 anos do regime do Partido Comunista. A comemoração incluiu uma grande parada militar em Pequim.

MD/efe/afp

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | App | Instagram | Newsletter

Leia mais