UE convoca cúpula especial para discutir futuro da Líbia | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 01.03.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

UE convoca cúpula especial para discutir futuro da Líbia

Bruxelas agenda encontro especial de países-membros para debater conduta frente ao caos que impera na Líbia. Especialistas alertam que desintegração do país pode significar riscos para a Europa.

default

População civil sofre com caos no país

A próxima cúpula regular do bloco europeu aconteceria somente nos dias 24 e 25 de março. No entanto, os distúrbios que assolam a Líbia fizeram com que a União Europeia (UE) antecipasse sua reunião para o próximo dia 11. Segundo informam diplomatas em Bruxelas, a encarregada de questões diplomáticas do bloco, Catherine Ashton, e o presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, estão preparando a pauta do encontro.

A data foi definida porque os representantes dos países da zona do euro já iriam se reunir de qualquer forma neste dia, a fim de determinar um pacote de medidas em prol da estabilidade econômica no continente.

Sarkozy / Frankreich / Paris

Nicolas Sarkozy: 'medidas urgentes'

Pacote de sanções

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, salientou no último domingo a urgência de um encontro de chefes de Estado e governo dos países do bloco, a fim de que seja definido um pacote de sanções a serem aplicadas contra o regime de Muammar Kadafi.

Até agora, os países da UE estabeleceram um embargo relativo à entrada de armas na Líbia, bem como limitação de viagens e bloqueio de contas bancárias de membros do governo.

Especialistas apontam que sanções econômicas contra o país seriam desnecessárias, uma vez que, no momento, as reservas de petróleo e gás natural já estão sendo em grande parte controladas pelos opositores do regime.

O ministro alemão do Exterior, Guido Westerwelle, defendeu nesta terça-feira (1°/03) a interrupção de diversas transferências de recursos para Trípoli. De acordo com o ministro, não deveria haver mais nenhum fluxo de "dinheiro novo" para as mãos do ditador líbio – quantias com as quais soldados mercenários poderiam ser pagos para atacar o povo do país numa guerra civil, apontou Westerwelle.

"Batalha de Trípoli"

Kristalina Georgieva EU Kommissarin für internationale Zusammenarbeit und Hilfsmaßnahmen

Kristalina Georgieva: 'catástrofe humanitária'

Kristalina Georgieva, comissária da UE para ajuda humanitária e resposta a situações de crise, afirmou que o bloco europeu precisa se preparar para a catástrofe humanitária que se anuncia dentro da Líbia e nas regiões de fronteira com o Egito e a Tunísia. Georgieva alertou para os riscos de fome na região e também para as consequências dramáticas de uma possível "batalha de Trípoli".

Além das questões que dizem respeito à ajuda humanitária e à reconstrução do país, outro ponto em debate na UE é a possibilidade de uma missão militar na Líbia. O governo norte-americano declarou na segunda-feira que está "mantendo todas as possibilidades em aberto", com a aproximação de forças da Marinha e Aeronáutica do território líbio.

Especialistas alertam que um total desmantelamento da Líbia poderia significar um alto risco de segurança para a Europa – uma situação para a qual a UE tem que se preparar. Diplomatas em Bruxelas salientam, contudo, que o tempo que resta aos europeus até a próxima cúpula do dia 11 de março é escasso demais e possivelmente não será suficiente para encontrar respostas concretas para o problema.

Missão militar

Großbritannien Wahlen David Cameron Konservative

David Cameron: 'missão militar'

Ao cogitar a possibilidade de uma missão militar na Líbia, o premiê britânico David Cameron fecha o cerco em torno de Muammar Kadafi. "Não excluímos de forma alguma a ideia de medidas militares", afirmou Cameron na madrugada desta terça-feira, depois que Kadafi revidou, em entrevista à emissora britância BBC, que estaria havendo protestos em Trípoli.

"Não podemos tolerar que as forças militares do regime sejam usadas contra o povo", apelou o premiê britânico à comunidade internacional. Cameron já incumbiu funcionários do governo de elaborarem planos de proibição de uso do espaço aéreo sobre a Líbia.

O premiê britânico falou na noite da última segunda-feira com o presidente francês, Nicolas Sarkozy, sobre as possíveis opções de conduta da UE em tal situação e sobre formas de aumentar a pressão sobre Trípoli, disse Cameron, lembrando também que outros membros da Otan, inclusive os EUA, já estão estudando medidas concretas para o caso.

País de grande dimensões

Cameron alertou, todavia, para os problemas que poderão advir de um ataque militar à Líbia, já que o país "é enorme, sendo necessária uma ação militar respeitável para controlar uma área tão grande", resumiu o premiê britânico.

Na última semana, a UE teve que ouvir acusações de que o bloco estaria optando por uma conduta demasiado hesitante frente aos problemas que assolam o norte da África. Nem mesmo em relação à questão dos refugiados, que atinge sobretudo a Itália e Malta, há um consenso entre os países-membros.

SV/dpa/rtr/dapd

Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados