UE assina acordo com CureVac para garantir 5ª vacina contra covid-19 | Notícias internacionais e análises | DW | 16.11.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

UE assina acordo com CureVac para garantir 5ª vacina contra covid-19

Comissão Europeia anuncia que vai assegurar a aquisição de mais de 400 milhões de doses de imunizante desenvolvido pela farmacêutica alemã. Bloco também negocia acordo de compra antecipada com a americana Moderna.

Logo da CureVac

O objetivo da Comissão Europeia é conseguir uma carteira de seis potenciais vacinas para a covid-19

A Comissão Europeia anunciou nesta segunda-feira (16/11) um contrato com a farmacêutica alemã CureVac para assegurar a aquisição de 405 milhões de doses de uma potencial vacina para a União Europeia (UE). Esta é a quinta vacina no portfólio de Bruxelas.

"Alguns dias depois da assinatura do nosso contrato com [as farmacêuticas] BioNTech e Pfizer, estou feliz por anunciar um novo acordo: amanhã vamos autorizar um novo contrato para assegurar mais uma vacina para a covid-19 para os cidadãos europeus, que nos vai permitir adquirir até 405 milhões de doses da vacina produzida pela empresa europeia CureVac", anunciou a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen. O preço acordado para a vacina não foi divulgado.

Von der Leyen também lembrou que "este é o quinto contrato com uma empresa farmacêutica para o portfólio de vacinas" da UE. "E estamos trabalhando num sexto [contrato de compra antecipada] com a Moderna", apontou Ursula von der Leyen, indicando que esse acordo também deverá ser oficializado "em breve".

"O coronavírus continua a espalhar-se rapidamente na Europa e precisamos de uma vacina segura e eficaz para acabar com esta pandemia", concluiu a líder do Executivo europeu.

O anúncio foi feito no dia em que a farmacêutica americana Moderna disse que a sua vacina poderá ser 94,5% eficaz, de acordo com dados preliminares dos estudos clínicos em curso.

Este anúncio ocorreu uma semana depois de a americana Pfizer e a alemã BioNTech terem revelado dados provisórios sobre a sua vacina contra o novo coronavírus, que indicam que pode ser eficaz em 90% dos casos.

Assim como as vacinas da Moderna e da Pfizer/Biontech, a da CureVac usa a nova tecnologia de RNA mensageiro (mRNA). Esse tipo de vacina não é feito com o próprio coronavírus, mas com um pedaço de código genético que treina o sistema imunológico para reconhecer a proteína spike do vírus.

Distribuição proporcional a países-membros

Até ao momento, a Comissão Europeia já assinou contratos com quatro farmacêuticas para assegurar vacinas para a Europa quando estas se revelarem eficazes e seguras: a AstraZeneca (300 milhões de doses), a Sanofi-GSK (300 milhões), Johnson & Johnson (200 milhões) e BioNTech e Pfizer (300 milhões).

O objetivo da Comissão Europeia é conseguir uma carteira de seis potenciais vacinas para a covid-19, que além das já asseguradas abrangerá as das farmacêuticas CureVac e a Moderna.

A Comissão espera que as vacinas sejam disponibilizadas ao mesmo tempo para todos os Estados-membros da UE, sendo que a quantidade distribuída para cada um será baseada na população. O plano europeu ainda prevê que os Estados-membros podem decidir doar as doses de vacina em excesso a outros países mais pobres ou redirecioná-las para outros países europeus.

Sediada em Tübingen, na Alemanha, a CureVac é uma empresa europeia pioneira no desenvolvimento de uma classe de vacinas totalmente nova. A CureVac esteve envolvida numa polêmica em março, quando um jornal alemão noticiou que o governo dos EUA teria  oferecido 1 bilhão de dólares à empresa para garantir acesso exclusivo a potencial vacina contra a covid-19.

JPS/lusa/ots/rtr

Leia mais