UE analisará contrato de Barroso com Goldman Sachs | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 12.09.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

UE analisará contrato de Barroso com Goldman Sachs

Presidente da Comissão Europeia reage a críticas à contratação de seu antecessor por banco americano e determina que, a partir de agora, português seja recebido como lobista em Bruxelas.

José Manuel Durão Barroso

Barroso presidiu a Comissão Europeia de 2004 a 2014

A Comissão Europeia anunciou nesta segunda-feira (12/09) que pediu que seu ex-presidente José Manuel Durão Barroso submeta a Bruxelas o contrato que ele assinou com o banco de investimentos americano Goldman Sachs, após a decisão do político de trabalhar para a instituição gerar furor.

Bruxelas quer verificar se contrato está em conformidade com a exigência de que membros da Comissão se comportem com "integridade e discrição" após deixar o cargo, segundo o porta-voz da Comissão, Alexander Winterstein.

Barroso, que presidiu a Comissão Europeia de 2004 a 2014, foi contratado pelo Goldman Sachs como consultor e presidente não executivo de uma subsidiária baseada em Londres.

O atual presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, reagiu às críticas contra a nomeação de seu antecessor para o Goldman Sachs afirmando que Barroso não será mais recebido em Bruxelas como ex-presidente da Comissão Europeia, mas como lobista.

A afirmação de Juncker foi feita através de uma carta, divulgada na noite de domingo, que Juncker enviou à defensora pública europeia, Emily O'Reilly. Ela escreveu a Juncker pedindo que ele esclarecesse a posição do Executivo comunitário diante da nomeação do seu antecessor e interrogando a Comissão sobre que medidas tomou para verificar se a nomeação está em conformidade com as obrigações éticas estipuladas.

Assessoria pós-Brexit

O banco de investimento Goldman Sachs comunicou em julho que iria contratar Barroso, que também foi primeiro-ministro de Portugal. Segundo a instituição financeira, Barroso deverá assessorar o banco sobre as consequências da saída do Reino Unido da UE. A medida provocou controvérsia devido a possíveis conflitos de interesse.

Na sua qualidade de ex-presidente da Comissão Europeia, assim como ex-primeiro-ministro de um Estado-membro, Durão Barroso teria o direito a um "tratamento VIP" pelos líderes e instituições europeias em Bruxelas.

A partir de agora, em quaisquer contatos futuros, será recebido como uma "representante de interesses" e qualquer comissário europeu ou funcionário da União Europeia que mantiver contatos com Durão Barroso será obrigado a registrar esses contatos e a manter notas sobre eles, determinou Juncker.

O'Reilly quis, ainda, saber se Juncker pediu ou tenciona pedir um parecer ao Comitê de Ética 'ad hoc' da Comissão Europeia, e se esta tenciona rever o código de conduta dos comissários.

MD/dpa/lusa/afp

Leia mais