UE ameaçou bloqueio de alimentos, afirma Boris Johnson | Notícias internacionais e análises | DW | 12.09.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brexit

UE ameaçou bloqueio de alimentos, afirma Boris Johnson

Em artigo ao jornal "Daily Telegraph", premiê britânico apela a "soberania" para justificar sua proposta de mudar os termos do pacto do Brexit. Parlamentares europeus acenam com veto a futuros acordos comerciais.

No contexto das disputas em torno do Brexit, o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, acusou a União Europeia de ameaçar com a instauração de uma fronteira comercial no Mar da Irlanda que "cortaria nosso país", e com um bloqueio de gêneros alimentícios entre a Irlanda do Norte e o restante do território britânico.

O artigo publicado pelo jornal The Daily Telegraph se intitula "Vamos fazer a UE tirar suas ameaças da mesa de negociações e aprovar essa proposta", referindo-se ao Projeto de Lei para o Mercado Interno apresentada por Londres, que desencadeou irritação em Bruxelas.

"Estamos agora escutando que, a menos que concordemos com os termos da UE, a UE usará uma interpretação extrema do Protocolo da Irlanda do Norte para impor uma fronteira comercial total ao longo do Mar da Irlanda", afirmou o premiê conservador.

Um bloqueio poderia ocorrer, a menos que seu governo concorde com os termos propostos pelo bloco europeu. A UE estaria apresentando um risco para o Reino Unido e para a paz na Irlanda do Norte, onde a violência sectária tem sido basicamente contida, desde o Acordo da Sexta-Feira Santa, em 1968, escreveu Johnson.

O político britânico alegou desejar um acordo comercial semelhante ao existente entre o Canadá e o bloco dos 27 países europeus, pois, "se a UE está disposta a oferecer esses termos para o Canadá, então faz sentido oferecer o mesmo para nós". "Temos que proteger o Reino Unido de um desastre, e é por isso que desenvolvemos uma rede de segurança legal – o Projeto de Lei do Mercado Interno do Reino Unido – para esclarecer o posicionamento e eliminar as inconsistências", acrescentou.

Na quarta-feira (09/09), Londres divulgou a proposta de uma lei redifinindo partes de seu pacto de saída da União Europeia, o Brexit. Em reação, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, declarou que qualquer desvio do atual acordo seria "infringir o direito internacional".

Segundo comissário da Economia da UE, Paolo Gentiloni, o bloco está preparado, caso as negociações com o Reino Unido deem errado. Líderes parlamentares europeus já ameaçaram vetar futuros acordos comerciais entre Londres e Bruxelas, a menos que Johnson retire a legislação.

No artigo ao Daily Telegraph, Johnson descreveu a disputa como uma questão de "soberania": "Como nunca me cansei de dizer, saímos da UE, mas não saímos da Europa. Mas eles também sabem – ou pelo menos sabem agora – que deixar a UE significa que o Reino Unido leva a sério sua soberania reencontrada."

Ambas as partes têm reunião marcada em Bruxelas na próxima semana, tendo como meta alcançar um consenso total até meados de outubro.

AV/rtr,ap,dpa,dw

Leia mais