UE adverte agências de rating após rebaixamento de países europeus | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 28.04.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

UE adverte agências de rating após rebaixamento de países europeus

Primeiro foi a Grécia, depois Portugal e agora Espanha. O rebaixamento do rating desses países fez balançar o euro e agrava ainda mais a crise grega. Ajuda do FMI e da zona do euro a Atenas deverá ser acelerada.

default

Euro atinge cotação mais baixa do último ano

Diante do acirramento da crise financeira grega, os países da União Europeia estão sob uma pressão cada vez maior para evitar que o mesmo ocorra com outros membros do bloco.

Na terça-feira (27/04), a agência de rating Standard & Poor's havia rebaixado a Grécia para a menor categoria de credibilidade. Portugal, que está lutando para controlar seu alto déficit orçamentário, também voltou a ser rebaixado. Nesta quarta-feira, foi a vez de a Espanha cair no ranking internacional. Analistas econômicos advertem contra uma reação em cadeia dentro da União Europeia.

As bolsas de valores da Alemanha e do Japão fecharam em baixa nesta terça-feira. O euro também caiu, atingindo a menor cotação do último ano.

Ajuda a Grécia deverá ser maior e mais rápida

Ao que tudo indica, o auxílio financeiro a ser concedido à Grécia deverá ser muito maior que o suposto até então. Após um encontro com o presidente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, e com o chefe do Banco Central Europeu, Jean-Claude Trichet, em Berlim, políticos alemães divulgaram que a Grécia precisaria de 100 a 120 bilhões de euros para consolidar sua grave situação orçamentária. A ajuda de 45 bilhões de euros oferecida até então pelo FMI e pelos países da zona do euro seria só um começo.

Segundo Jürgen Trittin, líder da bancada verde no Parlamento alemão, os políticos e economistas reunidos nesta quarta-feira em Berlim discutiram como a situação da Grécia pôde chegar a esse ponto. A resposta foi unívoca, afirmou Trittin, que também participou do encontro: a hesitação da União Europeia em oferecer ajuda financeira imediata à Grécia agravou a crise, aumentando ainda mais os custos da consolidação orçamentária do país.

O FMI e o Banco Central Europeu querem finalizar, até o próximo domingo, as negociações com Atenas sobre as condições de empréstimo. Na Alemanha, país que até agora vem freando a liberação de verbas europeias para a Grécia, o gabinete de governo pretende acertar até segunda-feira sua contribuição ao pacote de ajuda ao país mediterrâneo. As duas câmaras do Parlamento poderão debater e votar a proposta a partir da semana que vem, de modo que a decisão possa entrar em vigor até 19 de maio. Essa é a data em que a Grécia emitirá novos títulos públicos.

Base instável de cálculos do déficit grego

Apesar de a Grécia estar tentando colocar em prática um austero plano de cortes orçamentários, em meio a greves e movimentos de resistência popular, o setor financeiro e bancário ainda desconfia da capacidade de o país superar a crise com os recursos aventados até agora. Mesmo que Atenas consiga economizar 15 bilhões de euros este ano, conforme pretende, a baixa arrecadação, o aumento dos encargos sociais e os juros altos poderão inviabilizar a meta de reduzir o déficit orçamentário para 8,7% do produto interno bruto (PIB).

Para a economista Giada Giani, do Citigroup, a base dos cálculos não deveria ser o déficit orçamentário de 32,3 bilhões de euros registrado na Grécia no ano passado. Com a recessão e seu efeito sobre a arrecadação e sobre as despesas públicas, a economista calcula que o déficit grego possa chegar – sem os cortes orçamentários – até 40 bilhões de euros neste ano.

"Certamente a Grécia vai conseguir reduzir seu déficit em seis pontos percentuais do PIB", explica a analista econômica. "O problema, no entanto, é que ninguém sabe o quanto isso vai prejudicar o crescimento econômico e a arrecadação. Por isso, o ponto de partida para os cálculos é um grande ponto de interrogação."

Fato é que o pacote de contenção de despesas de Atenas, que inclui aumentos fiscais, cortes salariais no setor público e o congelamento das aposentadorias, deverá agravar ainda mais a crise econômica do país. Outras fontes de dinheiro com que o governo grego está contando, como, por exemplo, a recuperação de recursos perdidos com a sonegação de impostos, também são incertas, apontam alguns economistas.

Consequências sérias

O fato de a agência Standard & Poor's ter rebaixado o rating da Grécia para o nível junk tem sérias consequências para o país. Para conseguir dinheiro no mercado de finanças, os gregos têm, no momento, que oferecer mais de 12% de juros. Isso corresponde a quatro vezes o valor pago pela Alemanha. A repercussão imediata desse anúncio sobre a cotação do euro e os índices das bolsas de valores levou a União Europeia a advertir as agências de rating.

O Comissariado de Regulamentação Financeira da UE alertou que as agências "devem fazer seu trabalho com responsabilidade". A UE assinalou que a credibilidade da Grécia deveria ser avaliada com base no pacote de ajuda já prometido e no programa de consolidação econômica planejado por Atenas.

De acordo com a Comissão Europeia, uma participação dos bancos no programa de reestruturação orçamentária da Grécia ainda não é considerada uma opção viável. Com isso, a UE descartou a proposta de políticos alemães de que o setor bancário também arque com os custos da crise grega.

SL/dpa/apn/rtdt
Revisão: Augusto Valente

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados