UE acerta acordo para garantir vacina americano-alemã | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida | DW | 10.11.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

UE acerta acordo para garantir vacina americano-alemã

Comissão Europeia conclui negociações com Pfizer e BioNTech, cujo imunizante contra covid-19 demonstrou 90% de eficácia. Só a Alemanha deverá receber até 100 milhões de doses.

Seringa sob fundo com os logos das empresas farmacêuticas BioNTech e Pfizer, cuja promissora vacina experimental contra o coronavírus demonstrou 90% de eficácia

As empresas farmacêuticas esperam disponibilizar até 50 milhões de doses ainda neste ano

A Comissão Europeia concluiu as negociações com a alemã BioNTech e a americana Pfizer para garantir à Europa doses da promissora vacina experimental contra o coronavírus elaborada em conjunto pelos dois laboratórios, afirmaram relatos da mídia alemã nesta terça-feira (10/11).

Na véspera, as empresas anunciaram que o imunizante oferecia mais de 90% de proteção contra a covid-19, tornando-se assim as primeiras companhias a obter sucesso em testes clínicos em larga escala. 

"As negociações com a indústria farmacêutica foram concluídas", disseram fontes da Comissão Europeia à agência de notícias alemã DPA antes do anúncio oficial, garantindo que "o contrato está pronto". A notícia foi divulgada primeiramente pelo jornal Bild.

Assistir ao vídeo 01:39

Como nos tornamos imunes ao coronavírus?

O acordo, porém, não estaria ligado ao anúncio de segunda-feira, já que há meses o braço executivo da União Europeia (UE) está em conversações com a Pfizer e a BioNTech. Em setembro, a comissão dissera que planejava garantir até 300 milhões de doses da vacina americano-alemã.

As duas empresas farmacêuticas esperam disponibilizar até 50 milhões de doses ainda neste ano, se a vacina for oficialmente aprovada. Para 2021, ambas calculam até 1,3 bilhão de doses.

As companhias afirmaram que planejam solicitar autorização de emergência à agência reguladora de medicamentos americana Food and Drug Authority (FDA) já na próxima semana. Os procedimentos de aprovação, porém, são diferentes nos Estados Unidos e na UE.

A Alemanha deverá ter acesso a 100 milhões de doses da vacina assim que a droga receber a aprovação regulatória, afirmou o ministro alemão da Saúde, Jens Spahn, mais cedo nesta terça-feira. Ele disse ainda esperar que a Comissão Europeia assine o acordo com as empresas rapidamente. "Fiquem tranquilos, pois levaremos isso rapidamente a uma conclusão", garantiu. 

Após assinar um contrato na UE, todos os 27 países terão acesso simultâneo às primeiras entregas, que devem ser distribuídas de acordo com o tamanho da população. A Alemanha tem uma participação de cerca de 19%. Para uma imunização eficaz, deverão ser necessárias duas doses da vacina por pessoa.

Segundo Spahn, a UE já fechou contratos com as farmacêuticas AstraZeneca e Sanofi, que igualmente trabalham com vacinas contra o coronavírus. Outro contrato com a empresa Johnson & Johnson também já teria sido "basicamente" concluído.

IP/dpa/ots

Leia mais