Turquia detém quase 600 pessoas por oposição a ofensiva na Síria | Notícias internacionais e análises | DW | 05.02.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Turquia detém quase 600 pessoas por oposição a ofensiva na Síria

Nas redes sociais e nas ruas, detidos manifestaram críticas à ofensiva turca contra milícias curdo-sírias em Afrin. Turquia enfrenta onda de repressão desde tentativa fracassada de golpe militar.

Militares turcos avançam na fronteira com a Síria

Ofensiva turca na Síria começou há duas semanas

As autoridades da Turquia detiveram nas últimas duas semanas 573 pessoas por protestar, nas redes sociais e nas ruas do país, contra a intervenção militar turca no enclave de Afrin, no noroeste da Síria, afirmou nesta segunda-feira (05/02) o governo turco.

Segundo, o Ministério do Interior turco, 449 pessoas foram "detidas por fazer propaganda terrorista" nas redes sociais, enquanto 124 foram presas em protestos. De acordo com Associação de Direitos Humanos da Turquia, os detidos podem passar até 15 dias na prisão antes que o juiz decida por sua libertação ou pela determinação da prisão preventiva.

O governo chegou a deter 11 integrantes da Associação Turca de Médicos, a qual afirmou em comunicado que a guerra é um problema de saúde pública e pediu a paz. Ancara anunciou que libertou nesta segunda-feira os oito integrantes da associação, incluindo o presidente, que ainda estavam detidos.

O governo turco proibiu protestos contra a operação militar chamada "Ramo de Oliveira", iniciada no último dia 20 de janeiro contra milícias curdo-sírias Unidades de Proteção do Povo (YPG), que dominam esse território na região fronteiriça. Ancara afirma que os críticos à ofensiva são traidores e alertou que iria processar os opositores.

As YPG tiveram papel crucial no combate ao grupo jihadista "Estado Islâmico" (EI) na Síria. Após a ameaça do EI ter diminuído, os turcos se voltaram contra as milícias curdas, que foram apoiadas nos últimos anos pelos EUA. Ancara considera as YPG uma organização terrorista.

A Turquia enfrenta uma onda de repressão crescente que começou com a tentativa de golpe frustrada em julho de 2016. Desde então, cerca de 50 mil pessoas foram detidas e 150 mil funcionários públicos perderam seus empregos. Críticos, incluindo grupos de direitos humanos, afirmam que o governo está usando o golpe fracassado como pretexto para reprimir dissidentes.

CN/efe/rtr/afp

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais