Tunísia aprova lei antiterrorismo | Notícias internacionais e análises | DW | 25.07.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Tunísia aprova lei antiterrorismo

Parlamento acata por unanimidade legislação que prevê, entre vários pontos, a volta da pena de morte no país, suspensa desde 1991. Ativistas dizem que novas regras representam ameaça aos direitos e liberdades no país.

O Parlamento da Tunísia aprovou por unanimidade na madrugada deste sábado (25/07) uma nova lei antiterrorismo que, entre outros pontos, prevê a volta de execuções no país. Após três dias de debate, a legislação foi acatada por 174 votos a favor e dez abstenções.

A aprovação foi criticada pela sociedade civil e por organizações não governamentais, que lamentam que a legislação preveja a pena de morte para uma série de crimes, já que desde 1991a Tunísia tem uma moratória sobre as execuções.

A proposta prevê, ainda, que suspeitos sejam detidos provisoriamente por 15 dias sem acesso a um advogado ou contato telefônico, assim como dá permissão às polícias de adotarem linha dura em interrogatórios e realizarem escutas telefônicas.

"Essa lei representa uma ameaça real aos direitos e liberdades na Tunísia", critica Amna Guellali, que representa a ONG Human Rights Watch, em Túnis. Os ativistas apontam também que o termo "terrorista" é empregado na lei de maneira muito vaga, permitindo que as autoridades o interpretem como quiserem.

As regras mais rígidas foram propostas pelo governo, ao Parlamento em reação aos atentados na cidade turística de Sousse, que deixou 38 mortos em junho, e no Museu Nacional do Bardo, em Túnis, em janeiro, com 23 vítimas. Ambos os ataques foram reivindicados pelo grupo jihadista "Estado Islâmico" (EI).

FC/rtr/afp/ap/efe/lusa

Leia mais