TSE autoriza coleta de assinaturas eletrônicas para criação de partidos | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 04.12.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

TSE autoriza coleta de assinaturas eletrônicas para criação de partidos

Medida, entretanto, só passará a ser válida após regulamentação, que não tem data para ocorrer. Decisão pode ter impacto na criação da Aliança pelo Brasil, legenda lançada pelo presidente Jair Bolsonaro.

Presidente Jair Bolsonaro sorri e junta as mãos ao lado de seu filho Flávio Bolsonaro

Bolsonaro e o filho Flávio durante evento de lançamento da Aliança pelo Brasil

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu na noite desta terça-feira (03/11), por quatro votos a três, reconhecer assinaturas eletrônicas para formalizar a criação de partidos políticos.

A decisão pode ter impacto na criação da Aliança pelo Brasil, partido lançado pelo presidente Jair Bolsonaro, que pretende agilizar o processo de obtenção de registro da legenda através de certificados digitais.

A modalidade, no entanto, só passará a ser válida após a regulamentação do uso das assinaturas eletrônicas, o que deve ocorrer através da aprovação de uma resolução no plenário do TSE em sessão ainda sem data marcada.

Também não há prazo para que a Justiça Eleitoral possa criar aplicativos e programas de computador para efetivar a decisão. Segundo a presidente do TSE, Rosa Weber, as soluções não estarão prontas para as eleições municipais de 2020. 

O julgamento foi motivado por uma consulta apresentada pelo deputado federal Jerônimo Goergen (PP-RS) no ano passado – antes dos planos de Bolsonaro de criar sua própria sigla. O parlamentar pediu que o tribunal responda à seguinte pergunta: "Seria aceita a assinatura eletrônica legalmente válida dos eleitores que apoiem dessa forma a criação de partidos políticos nas listas e/ou fichas expedidas pela Justiça Eleitoral?"

Para a criação de partidos políticos, um dos requisitos exigidos é a apresentação de fichas de apoiamento de eleitores, cuja autenticidade das assinaturas em papel é feita pela Justiça Eleitoral. 

Por quatro votos a três, o tribunal seguiu o voto do ministro Luís Felipe Salomão. Segundo o ministro, o setor técnico do tribunal informou que há viabilidade para desenvolver os aplicativos necessários para implementar a medida. O voto foi acompanhado pelos ministros Tarcísio Vieira, Sergio Banhos e Luís Roberto Barroso.

O relator do caso, ministro Og Fernandes, votou contra as assinaturas eletrônicas por entender que o apoio a um partido por essa via não pode ser aceito por não estar previsto em lei ou nas regras do TSE. Edson Fachin e Rosa Weber acompanharam o relator.

Rosa Weber disse que o tribunal não tem recursos para verificar a autenticidade das assinaturas que serão entregues pelos partidos. 

No mês passado, Bolsonaro se desfiliou do PSL e anunciou a criação de um novo partido, chamado Aliança pelo Brasil. Ele afirmou que se o TS liberasse a assinatura eletrônica, conseguiria as cerca de 500 assinaturas necessárias para a fundação da legenda ainda a tempo de disputar as eleições de 2020.

MD/ebc/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais