Trump ressuscita controversos projetos de oleodutos | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 24.01.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

EUA

Trump ressuscita controversos projetos de oleodutos

Presidente americano assina decretos para impulsionar obras do Keystone XL e do Dakota Access, prometendo milhares de empregos. Criticadas por ambientalistas, ambas as iniciativas foram vetadas no governo Obama.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou nesta terça-feira (24/01) dois decretos para impulsionar os polêmicos projetos dos oleodutos Keystone XL e Dakota Access, cumprindo duas de suas promessas de campanha. Ambas as obras foram vetadas durante o governo Barack Obama, em parte devido a preocupações ambientais.

Trump também assinou um documento exigindo que os materiais para os oleodutos sejam produzidos nos EUA, apesar de não deixar claro como pretende colocar a medida em vigor.

"A partir de agora vamos começar a fazer oleodutos nos Estados Unidos", disse Trump em pronunciamento no Salão Oval. "Vamos renegociar alguns dos termos" do projeto Keystone XL, prometendo que o oleoduto gerará 28 mil empregos. O Dakota Acccess também será "objeto de termos e condições negociados por nós".

Vetado por Obama em 2015, o oleoduto Keystone SL, da canadense TransCanada, tinha como objetivo transportar 830 mil barris diários de petróleo cru sintético e betuminoso diluído da província canadense de Alberta ao Nebraska, nos EUA, onde seria ligado a linhas existentes com conexão para o Golfo do México. Obama declarou que o projeto minaria os esforços para um acordo global sobre as mudanças climáticas, uma peça central de seu legado.

Por sua vez, o Dakota Access, um projeto de 3,8 bilhões de dólares, levaria 500 mil barris de petróleo das jazidas betuminosas de Dakota do Norte a uma infraestrutura já existente em Illinois.

Ambos os projetos enfrentaram resistência de grupos ambientalistas devido ao poder contaminante do petróleo procedente das areias betuminosas, cuja produção emite 17% mais gases do efeito estufa que a extração convencional de petróleo. Além disso, o Dakota Access gerou protestos da tribo indígena Standing Rock, pelo potencial de poluir as águas do rio Missouri, das quais seu modo de vida depende.

Desde que assumiu a presidência, há quatro dias, Trump vem focando em empregos e na economia. Republicanos e alguns sindicatos citaram os projetos dos oleodutos como grandes oportunidades de gerar empregos.

LPF/rtr/ap/efe

Leia mais