Trump e Maduro confirmam contatos secretos | Notícias internacionais e análises | DW | 21.08.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Trump e Maduro confirmam contatos secretos

Líderes admitem que encontros entre altos funcionários dos dois governos vêm ocorrendo há meses, sem incluir a oposição liderada por Juan Guaidó. Alvo de sanções americanas, chavista se diz disposto a dialogar.

Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro

Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, confirmou contatos entre representantes de seu país e dos EUA

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, admitiu nesta terça-feira (20/08) a existência de contatos entre membros de seu governo e altos funcionários de Washington, corroborando declarações dadas antes por seu homólogo americano, Donald Trump.

O presidente dos EUA havia dito a repórteres nesta terça que seu governo mantém contato com "vários representantes da Venezuela", mas se recusou a confirmar se a Casa Branca estaria conversando com Diosdado Cabello, o presidente da Assembleia Nacional Constituinte venezuelana, considerado o segundo político mais poderoso do país depois de Maduro.

Trump se negou a citar nomes, mas disse que as conversações ocorrem "em nível muito alto". Oficialmente, os EUA não reconhecem o governo de Maduro, alvo de pesadas sanções econômicas impostas por Washington, e apoiam o autoproclamado presidente interino e líder da oposição, Juan Guaidó.

"Confirmo que há meses existem contatos de altos funcionários do governo dos EUA, de Donald Trump, e do governo bolivariano que presido, sob minha autorização expressa, direta, vários contatos, vários meios, para tentar regular esse conflito", disse Maduro em discurso em rede nacional.

"Isso não é novo, há meses mantemos contatos", disse o venezuelano, que afirma buscar "uma forma para que o presidente Donald Trump escute a Venezuela de verdade".

Maduro acusou funcionários da Casa Branca de transmitirem uma imagem distorcida de seu país ao presidente americano. "A ele, vendem uma Venezuela de mentira, e com base nisso conspiram, ameaçam, agridem, sancionam", afirmou, para justificar os contatos até então secretos entre os dois governos.

"Se um dia o presidente Trump quiser conversar seriamente e traçar um plano para regularizar e resolver esse conflito, estaremos sempre preparados para dialogar", disse o líder venezuelano.

Os dois chefes de Estado, porém, não mencionaram Guaidó, cujo governo interino é reconhecido por mais de 50 países. Maduro rompeu relações com o EUA após o país reconhecerem o oposicionista como presidente interino, no fim de janeiro.

Guaidó, por sua vez, disse que seus representantes também mantêm encontros com autoridades americanas nos EUA. "Houve várias reuniões [...] com nossos embaixadores e com algumas instâncias do governo", afirmou.

Representantes de Guaidó e Maduro vinham mantendo diálogos mediados pela Noruega desde maio, mas o governo venezuelano suspendeu as conversações no dia 7 de agosto, em protesto à imposição de novas sanções americanas.

As medidas mais recentes adotadas por Washington, anunciadas no dia 5 de agosto, incluem um bloqueio de todos os ativos venezuelanos nos EUA e estabelece sanções para qualquer empresa que realize negócios com o governo de Maduro. A isso se soma um embargo ao comercio de petróleo venezuelano, vigente desde abril.

RC/afp/ap

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | App | Instagram | Newsletter

Leia mais