1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Presidente Donald Trump exibe edição do "Washington Post"
"A única vez que tive uma manchete positiva deles", diz Trump ao exibir edição do "Washington Post" sobre sua absolviçãoFoto: Reuters/J. Roberts

Trump celebra absolvição e ataca democratas

6 de fevereiro de 2020

Um dia após se livrar do impeachment, presidente dos Estados Unidos diz que processo foi um "inferno", agradece aos apoiadores e senadores que votaram a favor dele e chama democratas de "maldosos" e "corruptos".

https://www.dw.com/pt-br/trump-celebra-absolvi%C3%A7%C3%A3o-e-ataca-democratas/a-52283032

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, celebrou em tom de triunfo sua absolvição no processo de impeachment durante um discurso na Casa Branca nesta quinta-feira (06/02).

Ele deu o tom da sua fala logo no início. "Isso não é uma entrevista coletiva, não é um discurso, não é nada disso. É uma celebração", afirmou, depois de se apresentar como a vítima de uma "caça às bruxas" iniciada logo após sua vitória, em novembro de 2016.

O presidente também exibiu um exemplar do jornal Washington Post com a manchete "Trump absolvido" e comentou: "E esse foi o resultado final." Ele aproveitou para ironizar: "A única vez que eu tive uma manchete positiva deles."

Trump mostrou ressentimento. "Foi mau, foi corrupto. Eram acusadores sujos, eram denunciantes e mentirosos, e isso jamais deveria acontecer de novo a nenhum outro presidente. Não sei se outro presidente conseguiria suportar tudo isso", declarou ele, em tom exultante, a um público de apoiadores.

"Foi um inferno", disse Trump, que afirmou não ter feito nada de errado. Ele acusou os democratas de agirem de forma maldosa e disse que o processo de impeachment foi uma "situação muito injusta", em meio a aplausos e ovações. "Eles [democratas] querem destruir nosso país, e não podemos deixar isso acontecer", declarou.

No público estavam vários senadores republicanos que votaram pela absolvição de Trump, incluindo o presidente do Senado, Mitch McConnell. Trump foi absolvido das acusações com o voto de todos os republicanos, exceto o senador Mitt Romney, que votou contra o presidente numa das duas acusações.

Trump agradeceu aos membros da sua equipe, de seu governo e de seu partido, mencionando nominalmente vários deles, em geral com comentários como "excelente trabalho!", "que cara incrível!" e "muito obrigado!".

Pela manhã, durante o tradicional evento Café da Manhã Nacional de Oração, Trump já havia criticado a presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, e Romney, o único do seu partido a votar pelo impeachment.

O slogan do evento era "ama o teu inimigo", mas o discurso de Trump foi no sentido contrário. "Não gosto de gente que usa sua fé como justificativa para fazer o que sabe ser errado", afirmou o presidente, em comentário dirigido a Romney, que é mórmon e mencionou sua fé ao defender o impeachment.

"Também não gosto de pessoas que dizem 'rezo por ti' quando todos sabem que não é assim", declarou, em clara alusão a Pelosi, que já disse várias vezes que reza pelo presidente e estava perto dele no evento.

Ele repetiu as críticas em seu discurso na Casa Branca. "Talvez ela reze, mas deve rezar pelo oposto. Mas eu duvido que ela reze", disse sobre Pelosi. Ele ainda chamou Romney, que foi candidato republicano em 2012, de fracassado.

AS/ap/dpa

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter