Tribunal recusa ação de Erdogan contra jornalista alemão | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 10.05.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Tribunal recusa ação de Erdogan contra jornalista alemão

Corte nega medida preventiva contra chefe da Axel Springer e cita liberdade de expressão. Erdogan entrou com pedido após jornalista publicar o polêmico poema satírico do humorista Jan Böhmermann.

Mathias Döpfner é presidente do conglomerado de mídia alemão Axel Springer

Mathias Döpfner é presidente do conglomerado de mídia alemão Axel Springer.

Em mais um capítulo do caso Jan Böhmermann, o Tribunal Regional de Colônia rejeitou nesta terça-feira (10/05) o pedido de medida preventiva contra o presidente do conglomerado de mídia alemão Axel Springer, Mathias Döpfner, feito pelo presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan.

A liberdade de expressão foi o argumento usado pelo tribunal para justificar a decisão. A corte entende que as declarações de Döpfner são admissíveis em um contexto de formação de opinião pública sobre um controverso debate e não ofendem o presidente turco.

Erdogan entrou com o pedido de medida preventiva após o jornalista alemão, em uma carta aberta publicada no jornal Welt am Sonntag, publicar o polêmico poema do humorista Jan Böhmermann, que se refere ao presidente turco com expressões de baixo calão e o acusa de reprimir minorias e maltratar curdos e cristãos.

Böhmermann recitou poema crítico a Erdogan em seu programa de televisão

Böhmermann recitou poema crítico a Erdogan em seu programa de televisão

O presidente turco visava com a medida evitar que Döpfner voltasse a falar sobre o poema. Na carta, o jornalista afirma ainda que achou muito engraçado o texto do humorista. Erdogan pode recorrer da decisão em instâncias superiores.

Para a Associação de Jornalistas Alemães, a corte tomou a decisão correta. "O Tribunal Regional de Colônia mostrou o cartão vermelho para o autocrata turco Erdogan", disse o presidente da organização, Frank Überall, pedindo ainda que o governo alemão cumpra rapidamente a promessa de retirar do Código Penal alemão o polêmico parágrafo 103, que fundamenta a acusação do líder turco a Böhmermann.

O polêmico parágrafo prevê o crime de injúria a "órgão ou representante de Estado estrangeiro". O caso Böhmermann começou em 31 de março, quando o humorista alemão recitou um poema sobre o presidente turco contendo referências sexuais explícitas, além de acusações a Erdogan, em seu programa na emissora ZDF. O uso de nomes chulos, como "fodedor de cabras", chocou Ancara e causou um desconforto político.

Em resposta, Erdogan apresentou queixa contra Böhmermann com base no parágrafo 103. A legislação, porém, determina que o governo alemão precisa autorizar a investigação. A pena máxima é de cinco anos.

Apesar de protestos, Merkel acabou autorizando a investigação, mas ressaltou, na época, que sua decisão não significava "de forma alguma" um pré-julgamento do humorista e que apenas repassava o caso para a análise da Justiça.

CN/dpa/epd

Leia mais