Tribunal ordena prisão de jornalistas do ″Cumhuriyet″ | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 05.11.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Turquia

Tribunal ordena prisão de jornalistas do "Cumhuriyet"

Corte em Istambul ordena prisão de nove funcionários do diário oposicionista, incluindo o editor-chefe, Murat Sabuncu. Eles haviam sido detidos para averiguação no início da semana sob suspeita de terrorismo.

Um tribunal de Istambul ordenou neste sábado (05/11) a prisão formal de nove funcionários do jornal de oposição "Cumhuriyet", que esperam agora por seus julgamentos. Eles haviam sido detidos para averiguação na última segunda-feira

Entre os nove presos, está o editor-chefe do jornal, Murat Sabuncu, o cartunista Musa Kart e o colunista Kadri Gursel. Eles são acusados de ter ligação com militantes curdos e com o clérigo Fethullah Gülen, que Ancara diz estar por trás da tentativa de golpe de Estado em 15 de julho último.

O "Cumhuriyet" nega firmemente todas as acusações. O governo turco tem restringido o acesso do jornal a plataformas da rede social como Twitter e Facebook, como também à internet móvel. O diário, que continuou a ser publicado nesta semana apesar das detenções, confirmou a prisão de seus funcionários, postando em seu site uma manchete afirmando que as medidas "vão permanecer como uma desgraça da história."

O editor anterior do jornal, Can Dundar, foi preso no ano passado por publicar segredos de Estado relacionados com o apoio armado da Turquia a militantes sírios. A prisão de Dundar provocou críticas de ativistas e governos ocidentais, preocupados com o agravamento da situação dos direitos humanos na Turquia sob a liderança do presidente Recep Tayyip Erdogan. Dundar fugiu do país e vive agora em Berlim.

Fundado em 1924 pelo jornalista Yunus Nadi Abalioglu, o "Cumhuriyet" é um dos mais antigos jornais da Turquia. O diário esquerdista tem sido uma das vozes críticas ao presidente Erdogan e ao seu Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP), de orientação islâmica.

Desde o golpe fracassado, 170 jornais, revistas, emissoras de TV e agências de notícias foram fechadas pelo governo de Erdogan, deixando 2,5 mil profissionais sem trabalho, afirmou a Associação de Jornalistas da Turquia, em comunicado protestando contra as prisões dos funcionários do "Cumhuriyet".

CA/dpa/rtr/dw

 

Leia mais