1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Mulher esconde o rosto com fichário aberto ao lado de policial
Jennifer W. não interveio quando seu marido acorrentou uma menina de 5 anos e a deixou morrer de sedeFoto: Sebastian Widmann/Getty Images
SociedadeAlemanha

Tribunal alemão condena "noiva do Estado Islâmico" à prisão

25 de outubro de 2021

Alemã que se converteu ao islã foi considerada culpada por crimes contra a humanidade, por ter permitido que menina yazidi de 5 anos escravizada morresse de sede no Iraque.

https://www.dw.com/pt-br/tribunal-alem%C3%A3o-condena-noiva-do-estado-isl%C3%A2mico-a-dez-anos-pris%C3%A3o/a-59619083?maca=bra-rss-br-all-1030-rdf

Um tribunal regional de Munique, na Baviera, sul da Alemanha, condenou nesta segunda-feira (25/10) uma alemã a 10 anos de prisão por permitir no Iraque que uma menina de 5 anos morresse de sede ao permanecer acorrentada sob um calor de 45 graus.

A condenação de Jennifer W., de 30 anos, é uma das primeiras no mundo relacionadas à perseguição da comunidade yazidi pelo grupo extremista "Estado Islâmico" (EI). Ela viajou da Alemanha ao Iraque para aderir ao EI.

A criança e sua mãe, da minoria religiosa yazidi, eram mantidas como escravas domésticas. Elas foram compradas em um mercado de escravos pela alemã e seu segundo marido, membro do EI, Taha A.-J., quando eles residiam em Mossul – na época, cidade ocupada pelo EI. Após a garota urinar em um colchão, o marido de Jennifer a acorrentou do lado de fora da casa.

Jennifer teria permitido que seu marido tomasse a decisão e nada fez para ajudar a criança.

O tribunal considerou Jennifer W. culpada por "dois crimes contra a humanidade na forma de escravidão", assim como por ajudar e encorajar a morte da garota ao não intervir.

"Depois que a menina adoeceu e molhou seu colchão, o marido da acusada acorrentou a garota do lado de fora como punição e deixou que a criança morresse de sede agonizante no calor escaldante", disseram os promotores durante o julgamento. "A acusada permitiu que o marido fizesse isso e não fez nada para salvar a menina."

Jennifer W. de Lohne, no estado da Baixa Saxônia, oeste da Alemanha, cresceu como protestante, mas se converteu ao islamismo em 2013.

Ela viajou ao Iraque através da Turquia e da Síria em 2014 para se juntar ao EI. Como integrante da "polícia da moralidade" do grupo extremista em 2015, ela patrulhava parques em Fallujah e Mossul, armada com um rifle e uma pistola, além de um colete com explosivos.

Os promotores disseram que sua tarefa era procurar mulheres que não estivessem em conformidade com os rígidos códigos de comportamento e vestuário do grupo jihadista.

Jennifer W. foi detida e deportada de volta para a Alemanha enquanto tentava renovar seus documentos de identidade na embaixada alemã em Ancara em 2016.

Marido também em julgamento

O marido de Jennifer W. está sendo julgado em um processo separado em Frankfurt. O veredicto deve ser anunciado no final de novembro.

Identificada apenas por seu primeiro nome, Nora, a mãe da menina morta testemunhou em Munique e Frankfurt sobre o tormento infligido à sua filha. Durante seu testemunho, a mãe da menina disse que foi forçada a ver sua filha morrer.

Taha A.-J. foi preso na Grécia em maio de 2019 sob um mandado de detenção alemão e foi extraditado para a Alemanha em outubro. Seu julgamento – o primeiro contra um ex-militante do IS a lidar com o genocídio dos yazidis pelo EI – atraiu atenção internacional.

Yazidis mortos e escravizados

As minorias yazidi da Síria e do Iraque foram vítimas de assassinatos em massa, sequestros e escravidão sexual nas mãos do EI. O grupo étnico segue uma religião que inclui elementos do cristianismo, judaísmo e islamismo. Os militantes islâmicos ultraconservadores os consideram adoradores do diabo subumanos.

Em julho, um tribunal de Hamburgo condenou a viúva de um terrorista do EI a uma pena adicional de prisão por usar garotas yazidis escravizadas para limpar sua casa. Ela já havia sido condenada por fazer parte da organização jihadista.

md (AFP, DPA)