Theresa May é nomeada primeira-ministra pela rainha | Notícias internacionais e análises | DW | 13.07.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Theresa May é nomeada primeira-ministra pela rainha

Líder do Partido Conservador promete governar para todos, respeitar a decisão pelo Brexit e forjar novo papel para o Reino Unido no mundo. Boris Johnson assume Ministério do Exterior e Philip Hammond, as Finanças.

A líder do Partido Conservador, Theresa May, tornou-se primeira-ministra britânica nesta quarta-feira (13/07), depois de ser nomeada pela rainha Elizabeth 2ª em audiência no Palácio de Buckingham, em Londres. Pouco antes, a monarca aceitara o pedido de renúncia do ex-premiê David Cameron.

May, de 59 anos, é a segunda mulher a ocupar o cargo, depois da também conservadora Margaret Thatcher, que foi primeira-ministra de 1979 a 1990. Logo após a audiência com a rainha, May se mudou para a residência oficial do primeiro-ministro, no número 10 da rua Downign Street, em Londres.

Poucas horas depois, May divulgou a composição do seu gabinete. O ministro do Exterior será o ex-prefeito de Londres Boris Johnson, um dos principais defensores da saída do Reino Unido da União Europeia (UE). Philip Hammond é o novo ministro das Finanças.

Theresa May em Downing Street, 10

Theresa May ao lado do marido Philip, diante da residência número 10 da rua Downing Street

Governo para todos

Assistir ao vídeo 02:05

May é esperança de final feliz para o Brexit

Em suas primeiras declarações após a posse, May afirmou que seu governo vai combater a injustiça social, trabalhando para todos os cidadãos e não apenas para "alguns poucos privilegiados", e assim "construir um Reino Unido melhor".

"Depois do referendo, temos diante de nós uma época de grandes mudanças", afirmou a premiê, diante da residência oficial. Ela manteve o compromisso do governo com o Brexit e disse que vai forjar um novo papel positivo para o país no mundo.

"O Reino Unido estará à altura do desafio", disse May. Acompanhada do marido, Philip May, a nova premiê elogiou o trabalho do seu antecessor, que renunciou ao cargo depois do resultado do referendo de 23 de junho.

May disse que Cameron conseguiu estabilizar a economia, reduzir o deficit fiscal e contribuir para que milhares de pessoas encontrassem emprego. "Mas o verdadeiro legado de David não é a economia, mas a justiça social. Mas, como já disse antes, lutar contra as injustiças não é suficiente."

Unionismo

Boris Johnson

Boris Johnson assume Ministério do Exterior

May, que se classificou como "unionista", destacou a importância de manter juntas as nações que formam o Reino Unido – Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte. "Juntos vamos construir um Reino Unido melhor", ressaltou, antes de entrar na residência oficial.

A nova premiê assumiu o cargo antes do previsto. Os conservadores planejavam uma campanha de nove semanas pela liderança do partido, mas a disputa foi encerrada de forma abrupta na segunda, com a surpreendente desistência da rival Andrea Leadsom. May teve apenas 48 horas para preparar seu novo governo.

Enquanto os líderes da campanha pelo Brexit Michael Gove e Boris Johnson se acotovelavam – antes de desistirem da campanha pela liderança do Partido Conservador –, May enfatizava que era uma candidata "séria" e "adulta" para conduzir o Reino Unido nesse período tumultuado.

AS/KG/rtr/efe/dpa

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados